Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
INDICADORES DE ESTRESSE, ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM IDOSOS HOSPITALIZADOS
Aryadnne Alexya dos Reis Bomfim Freire, Tatiane Lebre Dias

Última alteração: 05-07-19

Resumo


O curso da vida de indivíduos e grupos etários é determinado e tem sentido histórico por meio de acontecimentos chamados de eventos de vida, estes de modo individual, são marcadores relacionados à trajetória individual de desenvolvimento e de envelhecimento. Ao longo de toda a vida acontecem eventos incontroláveis, no entanto alguns destes como doenças, acidentes, morte de entes queridos e problemas que afetam os descendentes, aumentam as chances de sua ocorrência na velhice. Na perspectiva do desenvolvimento life-span o envelhecimento é uma experiência diversa, vivenciado de forma diferente por indivíduos em contextos históricos diferentes. No idoso, problemas de saúde, perda de independência e perda de autonomia, sendo nele, em seu parceiro conjugal e em amigos são fonte de estresse. Estados de ansiedade e depressão podem ser gerados ou agravados por essas situações e relacionamentos familiares e sociais podem ser afetados com a experiência de eventos relacionados ao declínio e à morte, no entanto estes eventos podem também ser uma oportunidade para aprendizado e crescimento pessoal. Deste modo, embora muitas vezes sejam feitas associações negativas à velhice, envelhecer implica perdas e ganhos e, um dos principais determinantes de como o idoso é afetado pelo estresse é a forma como este percebe os estressores. No entanto, alguns eventos tornam o idoso cada vez mais suscetível ao estresse e depressão, como a burocracia da aposentadoria, as dificuldades financeiras, os problemas com o atendimento de saúde, morte de amigos e familiares e a discriminação social. Pobreza, isolamento social e discriminação por idade, são situações muitas vezes representadas por problemas com moradia, transporte e segurança, expondo os idosos a situações estressantes. A perplexidade e o sofrimento psíquico vivenciado por idosos tendem a ser enormes, podendo potencializar os efeitos de doenças crônicas, dor, incapacidades e depressão. Quando torna-se necessário o tratamento de saúde, a hospitalização pode ser um evento incontrolável que gera situações de crise, pois o indivíduo encontra-se com o que não é possível ser controlado e com a fragilidade da condição humana, sendo necessário pensar eventos complexos para refletir sobre o idoso no contexto hospitalar. Diante disso, a presente pesquisa buscou identificar os indicadores de estresse, ansiedade e depressão em idosos hospitalizados. O estudo foi desenvolvido numa abordagem exploratória a partir de leitura quanti-qualitativa. Os participantes compreenderam um total de 8 (oito) idosos, sendo estes 4 (quatro) mulheres e 4 (quatro) homens, internados na Clínica Médica do Hospital Universitário Júlio Muller (HUJM) em investigação diagnóstica ou tratamento, com idade acima de 60 anos, decorrido o período acima de três dias de internação, nos meses de maio e junho de 2019. Os instrumentos utilizados foram: a) Escala de Estresse Percebido; b) Inventário de Ansiedade Geriátrica; c) Escala de Depressão em Geriatria (GDS) Versão Reduzida. A pesquisa foi submetida ao Comitê de Ética sendo aprovada com o Parecer Nº 3.285.971. Os dados foram analisados e corrigidos obedecendo aos critérios do manual de cada instrumento utilizado. A análise de dados permitiu observar os seguintes resultados: 1) do total de participantes a maioria (n=5) apresentaram percepção de estresse em relação a pensamentos sobre coisas que deve fazer e metade (n=4) perceberam que não conseguiriam lidar com todas as coisas que tem que fazer; 2) apenas 3 idosos apresentaram indicadores de ansiedade; 3) somente 3 idosos apresentaram indicadores de depressão; 4) 1 idoso apresentou indicadores de estresse e depressão. De modo geral pode-se observar que a percepção de estresse nos idosos participantes da pesquisa está associada a fatores individuais. Em relação aos indicadores de ansiedade e depressão identificados, é preciso a utilização de mais instrumentos para melhor compreensão desses indicadores considerando a história de vida, contexto sociodemográfico e processo de adoecimento. Esse conhecimento pode auxiliar no desenvolvimento de estratégias com esse público que considerem a relação de aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais.

Palavras-chave: Avaliação Psicológica, Estresse, Ansiedade, Depressão

Bibliografia:

ALMEIDA, O. P., ALMEIDA, S. A. Confiabilidade da versão brasileira da escala de depressão em geriatria (GDS) versão reduzida. Revista Arquivos de Neuropsiquiatria, São Paulo, v. 57, n. 2B, p. 421-426, jun. 1999.

BIASUS, F. Reflexões sobre o envelhecimento humano: aspectos psicológicos e relacionamento familiar. Revista Perspectiva, Erechim, v.40, n. 152, p. 55-63, dez. 2016.

LUFT, C. B., SANCHES, S. O., MAZO, G. Z., ANDRADE, A. Versão brasileira da Escala de Estresse Percebido: tradução e validação para idosos. Revista de Saúde Pública, v. 41, n. 4, p. 606-15, 2007.

MASSENA, P. N. Estudo de validação do Inventário de Ansiedade Geriátrica. Dissertação (mestrado). Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Porto Alegre, 2014.

NERI, A. L. Conceitos e teorias sobre o envelhecimento. In L. Malloy-Diniz et. al. Neuropsicologia do envelhecimento: uma abordagem multidimensional. Porto Alegre: Artmed, p. 17-42, 2013.

SCHNEIDER, R. H., IRIGARAY, T. Q. O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Revista Estudos de Psicologia, Campinas, v. 25, n. 4, p. 585-593, out/dez. 2008.