Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
CONHECENDO A REALIDADE ESCOLAR: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO PARA A PSICOLOGIA
JANE DOMINGUES COTRIN, NATÁLIA SANTOS DE SANTANA, Vilderly Veras Martins Lopes

Última alteração: 26-06-19

Resumo


 

Este trabalho apresenta um relato de experiência vivenciado na disciplina “Tópicos especiais em teorias psicológicas na Educação” do curso de Psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso ocorrida no primeiro semestre do ano de 2018. Uma das dificuldades encontradas na disciplina era a experiência prática dos discentes em contextos escolares. Pensar na atuação profissional, neste contexto, gerou a necessidade de que pudessem ter experiências concretas para, a partir de então, pensar a prática. A partir desta demanda, nasceu este projeto que buscou, na vivência com os alunos e alunas de uma unidade escolar de ensino fundamental da rede municipal de ensino, compreender seus múltiplos desafios e possibilidades de atuação. Os objetivos foram: compreender de que forma os alunos se apropriam do espaço escolar; compreender as vivências escolares em grupo; ressignificar conteúdos acadêmicos com discentes; compreender como se dá a atuação do psicólogo em contextos escolares; ampliar a compreensão sobre a queixa escolar e suas formas de avaliação; e assim, levar os/as discentes a conciliar teoria e prática para compreender o contexto escolar a partir de uma concepção crítica de atuação em Psicologia Escolar. O projeto consistiu na realização de sete encontros com três turmas do quarto ano, no período verspertino. Cada turma tinha aproximadamente 25 alunos, entre oito e dez anos de idade, além de Cuidadoras de Alunos com Deficiência (CAD) e da professora ou professor responsável pela turma. Os encontros foram coordenados por 14 graduandas e um graduando. A coordenação geral foi feita pela professora responsável pela disciplina. Cada encontro teve  duração de 1 hora. A metodologia utilizada foi a roda de conversa, jogos e leituras compartilhadas. Os encontros tiveram as seguintes temáticas: 1- Quem sou eu; 2- Meus medos; 3- Apresentação da escola; 4- Bullying; 5- Pra quê servem os conteúdos aprendidos?; 6- Sexualidade; 7- Fechamento do projeto com a retomada do que foi feito durante o projeto.. Ao final do projeto foram feitas devolutivas com as professores e professores responsáveis pelas turmas. No período de realização do projeto, as aulas foram realizadas nesta escola e  divididas em discussão teórica, análise do encontro anterior e preparação do encontro seguinte. A escolha de ouvir as crianças e suas significações a respeito de si mesmas, da escola, dos conteúdos curriculares, entre outros,  possibilitou uma compreensão mais ampla a respeito dos elementos que podem influenciar nos processos de ensino e aprendizagem, do desenvolvimento e de relações inter e intrapessoais. Os temas das atividades desenvolvidas buscaram compreender como as crianças se relacionam com eles a partir do discurso das próprias crianças. O objetivo não foi levar conhecimento, mas sim construir conhecimento com base no que as crianças já possuíam em suas vivências e como falavam sobre isso. Ainda sobre os temas propostos durante as atividades, como os medos, bullying e sexualidade, foi possível perceber como a inserção de materiais lúdicos como lápis de cor e papel podem se tornar importantes ferramentas para que as crianças possam se expressar e comunicar sobre esses temas não só a partir da fala, mas também através do desenho e de expressões corporais como a mímica, por exemplo. Nas atividades realizadas, alguns temas como racismo e questões relacionadas à sexualidade e gênero possibilitou a compreensão de que tais assuntos devem ser revistos cotidianamente. Pois, o contato com essas discussões podem contribuir no desenvolvimento e  na aprendizagem na medida que possibilita a elaboração de conteúdos que talvez as crianças não consigam elaborar sozinhas. Como conclusão, foi possível verificar que, na prática, que o processo de ensino e aprendizagem envolve diversos fatores, entre eles a saúde mental dos professores. É importante que as relações estabelecidas na escola proporcionem um ambiente acolhedor e humanizado para todos aqueles que o compõem.

 

Palavras-Chave: Psicologia Escolar e Educacional, Formação em Psicologia; Mato Grosso.

 

Bibliografia

ANGELUCCHI, C.B. e SOUZA, B.P. (org) Medicalização de crianças e adolescentes. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010

COSTAS, F.A.T. e FERREIRA,, L. S. Sentido, significado e mediação em Vygotsky: implicações para a constituição do processo de leitura. Revista Iberoamericana de Educación, n° 55 (2011), pp. 205-223

LEITE, H. A. e TULESKI, S.C. Psicologia histórico-cultural e desenvolvimento da atenção voluntária: novo entendimento para o TDAH. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo. Vol. 15, nº 1, Janeiro/ Junho de 2001: p. 111- 119

PATTO, M.H.S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

SOUZA, M.P,R. (org) Ouvindo crianças na escola: abordagens qualitativas e desafios metodológicos para a psicologia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.

TANAMACHI, E.R.; PROENÇA, M e ROCHA, M. Psicologia e Educação: desafios teórico-práticos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

TULESKI, S.C. Vigotski: a construção de uma Psicologia Marxista. 2ª. ed. Maringá (PR): EDUEM, 2008.