Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
AS REDES DE SIGNIFICAÇÕES COMPARTILHADAS ACERCA DE UM PROJETO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO: UMA PROPOSTA INVESTIGATIVA COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES
Jeise Letícia Ferreira da Silva, Andréia Maria de Lima Assunção

Última alteração: 26-06-19

Resumo


Este trabalho tem como objetivo apresentar uma proposta investigativa a ser desenvolvida no âmbito da disciplina Prática Orientada de Pesquisa do curso de graduação em Psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso, campi Cuiabá. O contexto onde a pesquisa será realizada compreenderá um projeto esportivo de uma instituição de ensino superior da cidade de Cuiabá/MT que atende crianças e adolescentes com idades entre seis e dezoito anos. Neste escopo, apresenta-se como recorte investigativo a escuta de crianças e adolescentes matriculados na modalidade de vôlei, com idades entre onze e treze anos. O estudo ora apresentado tem como objetivo compreender os significados atribuídos às ações do projeto esportivo enfocado, no âmbito da modalidade de vôlei, segundo a perspectiva das crianças e adolescentes participantes, delineando-se a partir da consideração da infância e da adolescência enquanto informantes legítimas. O enredo teórico que conduzirá a investigação procede dos diálogos circunscritos à teoria histórico-cultural (KISHIMOTO, 1994; SARMENTO, 2007; VIGOTSKI, 2008, 2009, 2010; PRESTES, 2016; TUNES; PRESTES, 2018), os quais tecem contribuições a respeito dos processos de desenvolvimento psíquico e da constituição dos sujeitos pertencentes à categoria geracional infância, perfazendo ainda as discussões em torno da construção das imagens sociais que historicamente, de acordo com Sarmento (2007), conferiram à infância a condição de invisibilidade social. Em atenção a este processo de produção histórico, o qual o campo investigativo também concorre para a sua formulação, o presente estudo preconizará pelo emprego da abordagem de pesquisa com crianças (SARAMAGO, 2001; MARTINS FILHO E BARBOSA, 2010; PEREIRA; NASCIMENTO, 2011; PRADO, 2011; HORN, 2013; MAFRA, 2015), a qual privilegia a realização de adequações metodológicas fundadas pelo refinamento dos procedimentos com o intuito de que permitam o acesso e a escuta das distintas modalidades de expressão infantis, de modo a reafirmar o exercício de pesquisa enquanto um diálogo intergeracional em que a consideração das especificidades pertinentes às situações sociais de desenvolvimento de seus/suas participantes seja prioritária. Nesta direção, a natureza da autorização para a participação na pesquisa será realizada por intermédio da assinatura do termo de assentimento, empreendida pela própria criança ou adolescente mediante os meios que dispor para a condução de tal registro, e a assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido fornecida pelos/as pais/ mães e/ou responsável legal. Esta investigação será conduzida de acordo com as inspirações da pesquisa do tipo etnográfica referenciada por André (2003), abrangendo a utilização das técnicas de entrevista e de observação participante. Para o processo de produção dos dados, especificamente no que se refere às entrevistas, serão consideradas as precauções metodológicas aludidas por Gaskell (2002) ao discorrer acerca dos procedimentos em grupo de geração de materiais discursivos. No que se refere ao procedimento de organização e análise das informações obtidas, este será ancorada pela proposta de identificação de núcleos de significação fundamentada por Aguiar e Ozella (2006), uma vez que possibilita a apreensão dos sentidos e significados contidos nos discursos dos sujeitos ao considerar a palavra e seu contexto de enunciação enquanto unidade de análise. Atualmente, o presente projeto de pesquisa encontra-se em processo de apreciação pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Área de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso (CEP Humanidades/ UFMT), por intermédio do percurso de submissão na Plataforma Brasil do Ministério da Saúde, já tendo obtido a anuência do departamento responsável pelo projeto esportivo o qual se propõe que este estudo seja desenvolvido. Diante da apresentação deste projeto, ressalta-se que a presente pesquisa, a partir do arranjo investigativo ora proposto, pretende acessar as significações de crianças e adolescentes participantes de um projeto desportivo universitário matriculados na modalidade vôlei; e neste escopo, acredita-se que os procedimentos sugeridos poderão adquirir o potencial de promoção de um espaço de escuta e de diálogo com tais sujeitos acerca de suas vivências e significações no interior das ações esportivos ofertadas pela instituição pesquisada.

 

Palavras-chave: Significações; Crianças; Adolescentes; Projeto Esportivo.

 

REFERÊNCIAS

AGUIAR, W. M. J.; OZELLA, S. Núcleos de significação como instrumento para a apreensão da constituição dos sentidos. Psicol. Cienc. Prof., Brasília, v. 26, n. 2, jun. 2006. [p. 222-245].

 

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. Série Prática Pedagógica. 9ª Edição. Campinas, SP: Papirus, 2003.

 

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M. W.; GASKELL. G. (Editores). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. [p. 64-89].

 

HORN, C. I. Pesquisa etnográfica com crianças: algumas possibilidades de investigação. Enfoques, v. 12, n. 2, 2013.

 

KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. Perspectiva, v. 12, n. 22, p. 105-128, 1994.

 

MAFRA, A. H. Metodologias de pesquisa com crianças: desafios e perspectivas. Zero-a-Seis, v. 17, n. 31, p. 107-119, 2015.

 

MARTINS FILHO, A. J.; BARBOSA, M. C. S. Metodologias de pesquisas com crianças. Reflexão e Ação, v. 18, n. 2, p. 08-28, 2010.

 

PEREIRA, B. E.; NASCIMENTO, M. L. P. De objetos a sujeitos de pesquisa: contribuições da Sociologia da Infância ao desenvolvimento de uma etnografia da educação de crianças caiçaras. Educação: Teoria e Prática, v. 21, n. 36, p. 138-156, 2011.

 

PRADO, R. L. C. O pesquisador e as crianças em investigações sobre a infância: algumas considerações. Veras, v. 1, n. 1, p. 86-99, 2011.

 

PRESTES, Z. A brincadeira de faz de conta e a infância. Trama Interdisciplinar, v. 7, n. 2, p. 28-39, 2016.

 

SARAMAGO, S. S. S. Metodologias de pesquisa empírica com crianças. Sociologia, problemas e práticas, n. 35, p. 9-29, 2001.

 

SARMENTO, M. J. Visibilidade social e estudo da infância. In: VASCONCELLOS, V. M. R.; SARMENTO, M. J. (Orgs.). Infância (in)visível. Araraquara, SP: Junqueira&Martins, 2007. [p. 25-47].

 

TUNES, E.; PRESTES, Z. O bom, o mau e o feio. In: VIGOTSKI, L, S. 7 aulas de L. S. Vigotski: sobre os fundamentos da pedologia. Tradução e organização de Zoia Prestes e Elizabeth Tunes; tradução de Cláudia da Costa Guimarães Santana.1 Ed. Rio de Janeiro: E-Papers, 2018. [p. 07-16].

 

VIGOTSKI, L. S. Quarta Aula: A questão do meio na pedologia. Tradução de Márcia Pileggi Vinha. Psicologia USP, São Paulo, n. 21, v. 4, p. 681-701, 2010.

 

VIGOTSKI, L. S. A brincadeira e o seu papel no desenvolvimento psíquico da criança. Revista Virtual de Gestão de Iniciativas Sociais. Rio de Janeiro, n. 8, p. 23-36, jun. 2008.

 

VIGOTSKI, L S. Criação e imaginação. Imaginação e criação na infância. Apresentação e comentário de Ana Luiza Smolka; Tradução de Zoia Prestes. – São Paulo: Ática, 2009. [p. 11-18].