Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
GRUPO DE EXTENSÃO MULTIDISCIPLINAR DE APOIO A IMIGRANTES (GEMAIs) – INSERÇÃO DE IMIGRANTE HAITIANOS NA SAÚDE PÚBLICA CUIABANA
Ivan Lucas da Costa e Souza, Mônica Maria Silva e Santos, Peter Teylon Rodrigues de Sousa, Maria Aparecida Campos

Última alteração: 05-07-19

Resumo


GRUPO DE EXTENSÃO MULTIDISCIPLINAR DE APOIO A IMIGRANTES (GEMAIs) – INSERÇÃO DE IMIGRANTE HAITIANOS NA SAÚDE PÚBLICA CUIABANA

RESUMO

O Grupo de Extensão Multidisciplinar de Apoio a Imigrantes (GEMAIs) nasce por iniciativa do curso de Psicologia da Universidade Federal de Matogrosso (UFMT) a partir das intervenções realizadas com imigrantes na disciplina de Estágio Básico III em Contextos Organizacionais e de Trabalho. O principal objetivo do projeto de extensão é realizar ações que promovam a autonomia a um dos grupos mais vulneráveis da sociedade, imigrantes refugiados, em especial, haitianos. A imigração para o Brasil é um fenômeno socialmente relevante e muito atual. Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados – ACNUR (2015), o número de haitianos que adentraram no Brasil como refugiados ou condição semelhante no ano de 2009 era de 7, em 2014 esse dado saltou para 29.241 e, em 2017, totalizavam 95.497 haitianos no país (OLIVEIRA, 2018). Devido ao alto grau de vulnerabilidade é uma população que necessita do olhar da psicologia, por isso o grupo de extensão é estruturado a partir de três eixos: Eixo Trabalho, Eixo Formação e Cidadania, e Eixo Saúde. O presente trabalho tratará de descrever as atividades realizadas pelos extensionistas do GEMAIs para imigrantes haitianos, com o objetivo de tratar do tema saúde em diferentes perspectivas, uma vez que se tem conhecimento acerca da característica da população haitiana de relutância em buscar ajuda além de seu círculo social, principalmente quando se trata de saúde mental (SCHWARTZ et al., 2012). O trabalho realizado teve como principal objetivo dar autonomia aos participantes, através de atividades educativas e dinâmicas tendo como tema o SUS e diversos aspectos da saúde. O GEMAIs é uma iniciativa multidisciplinar que conta com o apoio de discentes, docentes e profissionais das mais diferentes áreas, que ajudam na realização das atividades e formação do grupo. As rodas de conversa, principal metodologia utilizada pelo grupo de extensão, permitem reflexões em conjunto, o que leva a uma maior diversidade de visões sobre determinado tema, e dá brecha para uma aprendizagem significativa para os participantes (SILVA & DE VASCONCELOS, 2019). Também foram realizadas oficinas semanais com o intuito de informar e conscientizar esta população quanto aos cuidados necessários para com a saúde e como consegui-los. Dada à disparidade linguística, os encontros contam com tradução simultânea de haitianos que estão há mais tempo no Brasil e já dominam o idioma português. As oficinas tiveram os seguintes temas: “Acesso a Saúde”, com objetivo de oferecer o passo-a-passo de como acessar um dos direitos básicos do Brasil, a saúde, através do SUS. As rodas de conversa versaram sobre Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), doenças infecto contagiosas e imunização de crianças e adultos, e contaram com o auxílio de profissionais de enfermagem e estudantes de medicina; além disso foi ofertada uma Oficina de Higiene Bucal organizada por um profissional de odontologia com distribuição de kits de higiene. Por conta da característica descontraída das reuniões promovidas, foi possível observar, através dos relatos, as diferenças culturais e o processo de aculturação pelo qual estão passando os imigrantes participantes (WEBER et al., 2019; SAM & BERRY, 2010), tanto em questões pertinentes aos temas quanto ao dia a dia em geral. Em cinco meses de atuação, o Grupo conseguiu ofertar 3 oficinas e 5 rodas de conversa, alcançando 67 participações no total. As oficinas e rodas de conversa tem sido de grande importância para os imigrantes devido às diferenças culturais entre os dois países e à própria condição em que se encontram. As conversas e perguntas feitas durante os encontros deixaram claro que o conteúdo das ações foi compreendido, contudo a continuidade das ações é fundamental para que essa população internalize as características e cultura brasileiras acerca do tema e mantenham-se com os devidos cuidados de prevenção, proteção e promoção de saúde.

Palavra-Chave: Haiti, Saúde, SUS, Aculturação.

 

REFERÊNCIAS

ACNUR. Population Statistics. UNHCR, 2015. Disponível em: http://popstats.unhcr.org/en/persons_of_concern. Acesso em: 05 de maio 2019.

OLIVEIRA, Antônio Tadeu Ribeiro de. Movimentação e registro de migrantes no Brasil: dados do STI e SINCRE. In: ANTONIO, Oliveira; OLIVEIRA, Tadeu; MACEDO, Marília de. Migrações e mercado de trabalho no Brasil. Relatório Anual 2018. Série Migrações. Observatório das Migrações Internacionais; Ministério do Trabalho/Conselho Nacional de Imigração e Coordenação Geral de Imigração. Brasília, DF: OBMigra, 2018.

SAM, David L.; BERRY, John W. Acculturation: When Individuals and Groups of Different Cultural Backgrounds Meet. Perspectives on Psychological Science, v.5, n.4, 2010.

SILVA, Keila Mourana Marques; DE VASCONCELOS, Valéria Oliveira. AS RODAS DE CONVERSA COMO INSTRUMENTO METODOLÓGICO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. EJA em Debate, 2019.

SCHWARTZ, Billie; et al. Pathways to Understand Help-Seeking Behaviors Among Haitians. Journal of Immigrant Minority Health, 2012.

WEBER, João Luis Almeida et al. Imigração Haitiana no Rio Grande do Sul: Aspectos Psicossociais, Aculturação, Preconceito e Qualidade de Vida. Psico-USF, Campinas, v. 24, n. 1, p. 173-185, 2019.