Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA ESCALA DE PERCEPÇÕES DE ESTRESSE ACADÊMICO
Felipe Douglas Pereira França, Tatiane Lebre Dias

Última alteração: 29-06-19

Resumo


Para muitos jovens brasileiros que ingressam à graduação, o ensino superior é um momento de enormes mudanças, desafios e novidades. Diante disso, ao invés de ser um ambiente que gera experiências prazerosas e recompensadoras, para alguns desses jovens, a transição do ensino médio para a universidade e a busca pela formação preparatória para uma carreira sólida no futuro se provam fontes de estresse. Segundo especialistas na área, o estresse psicológico se dá a partir da relação entre a pessoa e o ambiente, o qual é avaliado pela mesma como algo extenuante, excedendo a capacidade de seus recursos internos, colocando em risco seu bem-estar. Assim sendo, o presente estudo teve como objetivo traduzir e adaptar a Escala de Percepções de Estresse Acadêmico (EPEA), a partir do The Perception of Academic Stress (PAS) Scale, composto por 18 itens que mensuram a percepção dos estudantes universitários a respeito do estresse acadêmico e suas fontes, em que os mesmos devem classificar cada uma das 18 afirmativas numa escala de 1 (Discordo totalmente) a 5 (Concordo totalmente). Na etapa I do presente estudo, um pesquisador brasileiro com domínio da Língua Inglesa realizou a tradução do instrumento original (em inglês) para o Português Brasileiro. Este processo gerou a primeira versão da EPEA, denominada Piloto I. Na etapa II, um pesquisador nativo de Língua Inglesa com fluência em Português fez uma retrotradução (back-translation) para o Inglês da versão Piloto I da EPEA. Este processo gerou a versão Piloto II, a qual posteriormente foi retraduzida para o Português Brasileiro por outro pesquisador diferente dos anteriores. Esta retradução deu origem à versão Piloto III da EPEA. Na etapa III, a versão Piloto III da EPEA foi analisada por seis profissionais especialistas na área de estudo do estresse, com o propósito de realizar a validação de conteúdo (Clareza de Linguagem, Pertinência Prática e Pertinência Teórica). Eles foram instruídos, a partir de um manual de procedimentos, cujo conteúdo forneceu orientações nos aspectos da estrutura e conteúdo dos itens da EPEA. No tocante ao grau de Clareza de Linguagem e Pertinência Prática, cada item foi analisado por meio de uma escala do tipo Likert de 1 a 5, sendo: (1) Pouquíssima; (2) Pouca; (3) Média; (4) Muita; e (5) Muitíssima. Quanto à Pertinência Teórica, os especialistas foram orientados a identificar em qual dos quatros fatores teóricos cada item da EPEA deveria pertencer. Tais fatores são: a) Pressões para cumprir ou realizar; b) Percepções sobre carga de trabalho e provas; c) Autopercepções; e d) Limitações de tempo. Para avaliar a proporção de concordância entre os juízes especialistas na avaliação dos itens da EPEA, quanto ao grau de Clareza de Linguagem e Pertinência Prática, utilizou-se o Coeficiente de Validade de Conteúdo (CVC). No que se refere à Pertinência Teórica, sua análise foi realizada por meio do coeficiente de Kappa. No que se refere à clareza de linguagem, todos os itens da EPEA obtiveram um CVC superior a 0,70, valor considerado adequado, segundo a literatura, para estudos com mais de seis juízes. Do mesmo modo, no tocante à pertinência prática, todos os itens também apresentaram CVC superior a 0,70. Além disso, o valor do CVC total da EPEA para os aspectos mencionados foi de 0,92. Quanto à pertinência teórica, o valor total de Kappa foi de 0,72, indicando uma concordância forte entre os especialistas a respeito deste aspecto. Os valores individuais do coeficiente de Kappa para cada um dos fatores da EPEA foram: Pressões para cumprir ou realizar (Kappa=0,84), indicando uma concordância quase perfeita entre os especialistas; Percepções sobre carga de trabalho e provas (Kappa=0,51), concordância moderada; Autopercepções (Kappa=0,72), sugerindo forte concordância; e Limitações de tempo (Kappa=0,81), concordância quase perfeita. Diante desses resultados, espera-se que a tradução e adaptação da EPEA possa servir como instrumento de avaliação das percepções de estresse acadêmico dos universitários brasileiros, subsidiando futuros projetos de intervenção direcionados a este contexto, visando à melhora da qualidade de vida dos estudantes de nível superior no país.

Palavras-chave: Estresse, Estudantes Universitários, Estressores, Ensino Superior.

 

BIBLIOGRAFIA

AL-DUBAI, S. A. R.; AL-NAGGAR, R. A.; ALSHAGGA, M. A.; RAMPAL, K. G. Stress and coping strategies of students in a medical faculty in Malaysia. Malays J Med Sci. Vol. 18, p. 57-64. 2011.

BARDAGI, M. P.; HUTZ, C. S. Eventos estressores no contexto acadêmico: uma breve revisão da literatura brasileira. Interação em Psicologia. Vol. 15, N. 1. 2011.

BEDEWY, D.; GABRIEL, A. Examining perceptions of academic stress and its sources among university students: the perception of academic stress scale. Health Psychology Open, Vol. 2, N. 2, p. 1-9. 2015.

CHAI, M. S.; LOW, C. S. Personality, coping and stress among university students. American Journal of Applied Psychology. Special Issue: Psychology of University Students. Vol. 4, No. 3-1, p. 33-38. 2015.

DIXIT, V. Students adapting to university life: stressors and coping strategies. Asian Journal of Business and Management. Vol. 4, N. 3, p. 127-132. 2016.

HURST, C. S.; BARANIK, L. E.; DANIEL, F. College Student Stressors: A Review of the Qualitative Research. Stress Health, Vol. 29, p. 275-285. 2013.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2015. Rio de janeiro: IBGE, 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse estatística da educação superior 2015. Brasília: Inep, 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse estatística da educação superior 2016. Brasília: Inep, 2017.

LAZARUS, R. S.; FOLKMAN, S. Stress, appraisal, and coping. New York: Springer, 1984. 445 p.