Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
OS BENEFÍCIOS DAS OFICINAS TERAPÊUTICAS COM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA EM ESTÁGIO SUPERVISIONADO
Thays Leticia Santos Lobo

Última alteração: 19-06-19

Resumo


A população idosa é umas das que, atualmente, mais crescem no mundo. Diante disso, aspectos referentes a este público tornam-se notórios como, por exemplo, o surgimento das casas de longa permanência e como promover saúde para as pessoas que estão nelas. Com os avanços na área da saúde (médica, nutricionais e psicológicas), saneamento básico e educação, além das leis e decretos que visam à promoção de saúde e a proteção integral da pessoa idosa, tem-se aumentado gradativamente a expectativa de vida desta população e viabilizando os estudos em diversos campos de conhecimento. Atualmente, estudiosos determinam como arbitrárias as definições para meia idade, no entanto é perceptível a diferença entre indivíduos que estão em casas de longa permanência e aqueles que não, tanto no que tange a interação social e a hábitos de vida. Sendo assim, faz-se necessária à psicologia enquanto ciência discutir sobre a promoção de saúde nesses espaços, desta forma, o estágio básico II se desenvolveu com ensejo a tal demanda apresentada pela comunidade em torno da instituição. Assim, o presente trabalho pretende relatar uma experiência de estágio no curso de psicologia com grupos de idosos institucionalizados do lar de idosos na cidade de Várzea Grande, sendo uma instituição de assistência social - filantrópica e sem fins lucrativos - que acolhe, sob a forma de internato, idosos de ambos os sexos na faixa etária entre 60 a 99 anos, carentes materialmente, os quais sofreram maus tratos ou foram rejeitados pela família. Trata-se de um projeto inicial de observação, de cunho acadêmico com abordagem qualitativa, tendo como metodologia as oficinas terapêuticas, definidas pelo Ministério da Saúde como atividades de socialização, expressão e inserção social com fins terapêuticos ou para a geração de renda. As oficinas escolhidas e aplicadas foram as seguintes: “Dia da Beleza”, que visava à auto-estima e a primeira aproximação aos indivíduos da instituição; jogos que objetivavam a descontração e o desenvolvimento de habilidades de raciocínio lógico e analítico; atividade de artesanato com materiais reciclados; atividade de arteterapia para a expressão da criatividade; carta terapêutica dos idosos para os cuidadores, promovendo uma reflexão dos idosos sobre seus sentimentos e os benefícios da escrita, além do projeto de contar histórias, direcionadas aos idosos com algum comprometimento cognitivo, proposto de modo a estimular a imaginação. Todos os projetos foram elaborados com base na Resolução Nº 010/05 do CFP que aprova o Código de Ética Profissional do Psicólogo, no que tange ao exercício da profissão de forma ética, que promova serviços de qualidade e principalmente no sigilo de informações consideradas pessoais e institucionais. Os benefícios alcançados foram: a interação dos idosos entre si, de forma a estimular o relacionamento interpessoal e formação de novos laços dentro da instituição; propiciar o exercício da autonomia através da não-diretividade; o resgate de memórias significantes para eles; diminuição do ócio decorrente da institucionalização; e integração dos idosos com os estagiários, sendo as oficinas terapêuticas um mediador a esta interação, à escuta terapêutica e à formação da aliança terapêutica. Pode-se concluir que as oficinas terapêuticas possuem benefícios quando aplicadas para além de espaços em que há somente indivíduos com transtornos mentais, por exemplo. Faz-se necessário instigar os acadêmicos a pensar nas oficinas terapêuticas como prática da psicologia, inseri-los em ambientes que seja possível executá-las, mas principalmente engajar os psicólogos a participar de trabalhos como este, pois, por ligá-lo à psicologia social observa-se que a demanda acaba sendo maior que o número de profissionais disponíveis a exercê-la. Ainda é preciso o dimensionamento das oficinas, de modo a observar se elas produzem benefícios frente às sintomatologias já existentes ou que podem surgir da institucionalização. Propõe-se de maneira geral às instituições de longa permanência a implementação das oficinas terapêuticas como rotina da instituição, para promoção de saúde, autonomia e qualidade de vida.

Palavras-chave: Oficinas terapêuticas, idosos institucionalizados, psicologia social, promoção de saúde.

REFERÊNCIAS:

AGUIAR, A.P; MACRI, R. Promovendo a qualidade de vida nos idosos através da arteterapia. R. pesq.: cuid. fundam. Online, out/dez. 2010. 2(Ed. Supl.):710-713. Disponível em: <http://seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/1102/pdf_264> Acesso em: 27 mai. 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAUDE. Portaria nº 189, de 19 de novembro de 1991. Brasilia, DF. Disponível em: <sna.saude.gov.br/legisla/legisla/psiq/snas_p189_91psiq.doc> Acesso em: 27 mai. 2019.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução n° 010, de 21 de julho de 2005. Aprova o Código de Ética Profissional do Psicólogo. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf

FREITAS, M.A.V; SCHEICHER, M.E. Qualidade de vida de idosos institucionalizados. Rev Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, v.13, n.3, p. 395-401, 2010. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/114406>Acesso em: 27 mai. 2019.

MOTA, C.P. Não diretividade: avaliação, diagnóstico e a terapia centrada no cliente. Rev abordagem Gestalt. Goiânia, v.20, n.2, p. 198-205, dez. 2014. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672014000200007> Acesso em: 27 mai. 2019.

OLIVEIRA, C.S; COSTA, S.R. R; SANTOS, I.C.L; LEMOS, C.E.S. Oficina de educação,memória, esquecimento e jogos lúdicos para a terceira idade. Rev. Ciênc. Ext. v.8, n.1, p.8- 17, 2012. Disponível em: <http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/article/view/554> Acesso em: 27 mai. 2019.

PAPALIA, D.E; FELDMAN, R.D. Terceira Idade. In: PAPALIA, D. E; FELDMAN, R.D. Desenvolvimento Humano. (12th ed). Porto Alegre: Artmed, 2010, p. 660-736.

RABELO, D.F, NERI, A.L. Intervenções psicossociais com grupos de idosos. Revista Kairós Gerontologia, 16 (6), p. 43-63. Online, São Paulo (SP), Brasil. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/20022/14897>. Acesso em: 27 mai. 2019.