Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
Educação Interprofissional em Saúde: Relato de experiência da percepção inicial de uma discente de Psicologia sobre o PET-Saúde
Ana Julia Candida Ferreira, Marcus Vinícius Mizoguchi

Última alteração: 26-06-19

Resumo


O PET-Saúde da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) tem sido uma experiência proveitosa de educação em saúde que lança mão de grupos tutorias interprofissionais, abrangendo os cursos de medicina, psicologia, serviço social, enfermagem, nutrição e educação física (BATISTA, 2012). Sendo um projeto que parte da iniciativa do Ministério da Saúde, visa atender a uma demanda premente que é a falta de interprofissionalidade na educação, do contato entre as áreas de forma a estabelecer um diálogo mais proveitoso e um contexto salutar para a Educação Interprofissional (EIP), ultrapassando os saberes e fazeres individualizados e incidindo no trabalho coletivo. A metodologia da EIP constitui-se enquanto estratégia da área educacional que visa estabelecer uma prática de cunho colaborativo, que possibilita o trabalho em equipe entre alunos de diversas áreas do conhecimento (BATISTA, 2012). Quanto ao sistema de saúde, sabe-se que a psicologia entrou nesse campo recentemente, datada esta inserção no início dos anos 80 conforme parecer CNE/CES nº 67/2003 (Brasil, 2003). Tendo isso em vista, é notório o esforço de algumas universidades para alinharem os currículos de Psicologia com o ensino em saúde. No projeto do PET-Saúde atual, os discentes, tutores e preceptores envolvidos são distribuídos em grupos menores que irão focar em uma temática específica. Todos os encontros ocorrem simultaneamente a um aprofundamento teórico e conceitual sobre a prática no Sistema Único de Saúde, em que o estudante pode se apropriar dos saberes colocados e auxiliar a construir o trabalho em saúde, inserindo uma perspectiva que transcenda a do viés meramente curativo, sendo agente que instigue a prevenção e a promoção de saúde, de como promover um trabalho de cuidado integral e das diversas práticas nessa área. No ínterim deste primeiro semestre, juntamente às diretrizes passadas ao grupo, a autora deste resumo buscou se aprofundar teoricamente nos conceitos que permeiam a temática da interprofissionalidade em saúde. A metodologia de aprendizado foi a leitura de artigos relacionados ao tema em questão e a realização do curso sobre EIP em Saúde (EIP), disponibilizado na plataforma AVASUS. Realizadas as leituras, todas as percepções e dúvidas foram levadas às reuniões para serem debatidas. Além do mais, todos os alunos foram convocados a realizar uma análise do Projeto Político Pedagógico (PPP) do respectivo curso em que o(a) aluno(a) se encontrava matriculado(a) e compará-lo com às respectivas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs). Essa análise possibilitou um levantamento de acertos e faltas dos PPPs, e do que pode ser feito para suprir a falta da EIP no currículo. Ademais, tendo em vista a urgência de promoção da importância da EIP, no grupo em que a discente escritora deste artigo ficou, foram elencadas propostas de artigo a serem desenvolvidos nesse primeiro semestre que perpassam revisões sistemáticas e de bibliografia e pesquisas sobre os projetos políticos pedagógicos de cada curso. Para que os discentes pudessem começar as buscas bibliográficas, os tutores preparam uma aula sobre metodologia científica em que foi passado métodos de busca nos repositórios online, bancos de dados da área de saúde que poderiam ser úteis, bem como ferramentas que os estudantes poderiam utilizar para angariar êxito na busca de informações e posterior escrita do artigo. Diversos conhecimentos foram socializados para a evolução do grupo. Com a leitura dos artigos, os encontros, as discussões nas reuniões, e com as atividades propostas pelos tutores, ficou sobremodo aparente a necessidade e premência da interprofissionalidade na educação em saúde, sobretudo no curso de psicologia da UFMT. Sabendo que o profissional da área de psicologia é formado por meio da interação de diversas áreas dos saberes, é imprescindível a formação de um psicólogo capaz de atuar no SUS, o que sublinha ainda mais a importância do PET-Saúde enquanto iniciativa promotora de um aprendizado integrado, e que os alunos podem se comunicar de maneira interprofissional e pensar sobre novar formas de trabalho colaborativo (DA SILAVA SOUTO et al, 2014). Ademais, tendo como base estudos diversos que apontam para os benefícios da EIP no ensino em saúde (HIND, 2003; BARR, 2005; HAMMICK, 2007) e que proporcionam a formação de profissionais aptos ao trabalho colaborativo, uma projeção futura é a do desenvolvimento do respeito às diversidades e a adoção de uma postura cooperativa que possibilite a efetivação de práticas interprofissionais.

PALAVRAS-CHAVE: Educação em Saúde, Interprofissionalidade, PET-Saúde.

BIBLIOGRAFIA:

BARR, H.; et al. Effective interprofessional education: argument, assumption, evidence. Oxford: Blackwell Publishing; 2005.

BATISTA, N. A. Educação interprofissional em saúde: concepções e práticas. Cad Fnepas, 2012, vol. 2, no 1, p. 25-8.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior (CNE/CES), 2003. Parecer nº CNE/CES nº 67/2003.

DA SILVA SOUTO, et al. A educação interprofissional na formação em psicologia: olhares de estudantes. Psicologia: ciência e profissão, 2014, vol. 34, no 1, p. 32-45.

HAMMICK, M.; et al. A best evidence systematic review of interprofessional education: BEME Guide no. 9. Medical teacher, 2007, vol. 29, no 8, p. 735-751.

HIND, M.; et al. Interprofessional perceptions of health care students. J Interprof Care. 2003;17(1):21-34. http://dx.doi. org/10.1080/1356182021000044120