Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
Bioecologia do Desenvolvimento Humano: uma teoria ecologicamente válida.
Edirlene Giane Antunes De Sá, Juliana Da Cas Machado

Última alteração: 01-07-19

Resumo


Bioecologia do Desenvolvimento Humano: uma teoria ecologicamente válida.

 

A Teoria Bioecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner (1917 - 2005) surgiu no final da década de 70 decorrente das incongruências encontradas pelo autor relacionadas às pesquisas que eram realizadas com os sujeitos de forma fragmentada e descontextualizada do seu ambiente natural de desenvolvimento. Bronfenbrenner sempre manteve uma postura de rever e reavaliar sua teoria. Cabe aqui destacar que a construção do Modelo Bioecológico passa por duas fases: a primeira, onde o autor publica em 1979 o seu primeiro livro descrevendo o Modelo Bioecológico, e a segunda, elaborada após uma série de trabalhos que culminaram em críticas próprias ao seu primeiro trabalho, resultando assim na denominação atual da Teoria Bioecológica do Desenvolvimento Humano. Suas pesquisas apontaram que as diferentes formas de interação entre as pessoas não são percebidas apenas como um resultado do ambiente, mas como parte de um processo que se dá por meio da relação entre o contexto e as características da pessoa que se encontra em desenvolvimento. Utilizando de premissas teóricas, o autor se propôs a compreender o desenvolvimento humano como um processo dinâmico, de maneira que os indivíduos possuem papel ativo sendo, portanto, produto e produtores do seu próprio desenvolvimento. Assim, a Teoria Bioecológica é um modelo teórico-metodológico que entende o desenvolvimento humano como um processo de mudanças e estabilidades nas características biológicas, psicológicas e sociais dos indivíduos, que se estendem ao longo de todo o ciclo vital. De acordo com o Modelo Bioecológico, a relação entre o indivíduo e o ambiente (contexto) ocorre perpassando quatro dimensões interligadas entre si e que se correlacionam ao longo do ciclo de vida humana, conhecido como Modelo PPCT: Processo, Pessoa, Contexto e Tempo. O Processo é o componente apontado como principal mecanismo para o desenvolvimento que ocorre através de interações recíprocas, sucessivamente mais complexas, no ambiente imediato onde são levadas em consideração influências mútuas, com regularidade, por períodos extensos. A Pessoa é a dimensão que envolve tanto as características determinadas biopsicologicamente quanto as provenientes da sua interação com o ambiente, ser biológico e também psicológico que interage com os quatro elementos do modelo. O Contexto é composto por quatro níveis que integram o ambiente ecológico: microssistema, mesossistema, exossistema e macrossistema. O componente Tempo, de grande importância nos processos proximais (relações face a face), possibilita a observação das mudanças ou das permanências ocorridas no ciclo do desenvolvimento. Deste modo, com base no materialismo histórico-dialético, esta teoria contempla as relações estabelecidas entre os indivíduos, símbolos e objetos nos mais diversos contextos, levando em consideração não apenas os ambientes imediatos nos quais os sujeitos estabelecem relações diretas, face a face, mas também em contextos mais amplos, que influenciam o desenvolvimento e consequentemente a construção da sua identidade.  Consoante a isso, é fundamental destacar que o Modelo Bioecológico apresenta-se como um referencial teórico adequado para a realização de pesquisas sobre o desenvolvimento no ambiente natural, o que possibilitou que fosse desenvolvido no Brasil uma metodologia específica, denominada Inserção Ecológica, cuja condição é a inserção do pesquisador no ambiente de estudo, com intuito de aproximá-lo da realidade diária e de vivência do objeto a ser estudado. Apesar do grande reconhecimento da Teoria Bioecológica do Desenvolvimento Humano no mundo científico e da contribuição de pesquisadores brasileiros junto à Teoria, no estado de Mato Grosso são poucas as discussões a respeito das propostas teóricas e metodológicas aqui mencionadas. Desta maneira, esta proposta de minicurso tem por objetivo apresentar e discutir a teoria desenvolvida por Bronfenbrenner e colaboradores, assim como as suas contribuições enquanto psicólogo, teórico e pesquisador na área do desenvolvimento humano. A  metodologia a ser utilizada no desenvolvimento do minicurso compreende momentos de troca de conhecimento acerca de conceitos concernentes à teoria, a utilização de instrumentos mediadores para a vivência dos participantes, quais sejam: livros de literatura,  jogos, materiais de mídia audiovisual, materiais pedagógicos, entre outros, com intuito de facilitar a discussão bem como o entendimento a respeito da proposta teórica e seus pressupostos fundamentais na compreensão da formação dos indivíduos ao longo do processo de desenvolvimento humano.

 

 

Palavras chave: Bronfenbrenner, teoria, desenvolvimento humano, Modelo Bioecológico.

 

Bibiliografia

 

BROFENBRENNER, U. Ecological models of human development. In International Encyclopedia of Education, Vol. 3, 2nd. Ed. Oxford: Elsevier. Reprinted in: Gauvain, M. &nCole, M. (Eds.), Readings on the development of children, 2nd Ed. NY:Freeman, 1993, p. 37-43.

 

BROFENBRENNER, U. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

 

BROFENBRENNER, Urie. Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos; tradução: André de Carvalho-Barreto; revisão técnica: Sílvia H. Koller. Porto Alegre: Artmed, 2012.

 

CECCONELLO, A. M. & Koller, S. H. Inserção ecológica na comunidade: uma proposta metodológica para o estudo de famílias em situação de risco. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(3), 2003, p. 515-524.

 

KOLLER, S. H.; De Morais, N.; Paludo, S. S. Inserção Ecológica: um método do estudo do desenvolvimento humano. 1ª. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2016.

 

PRATI, Laíssa Eschiletti; COUTO, Maria Clara P. de Paula; MOURA, Andreína; POLETTO, Michele e KOLLER, Sílvia Helena. Revisando a inserção ecológica: uma proposta de sistematização. Revista Psicologia, Reflexão e Crítica. Rio Grande do Sul, v.21, n.1, 2008, p. 160-169.