Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VIII Semana de Psicologia da UFMT

Tamanho da fonte: 
RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO: A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO DO SERVIDOR COM DEFICIÊNCIA
Júlia Paes de Barros Pereira, Natália Sonza Pereira

Última alteração: 06-07-19

Resumo


Palavras Chaves: POT, Servidor Público, PcD

Em setembro de 2017, aconteceu na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) o primeiro Fórum de Acessibilidade e Inclusão no âmbito da universidade, a partir da iniciativa dos servidores com deficiência. O evento teve como objetivo discutir temas como acessibilidade e inclusão com toda a comunidade acadêmica e, ao final, contribuir para a criação de políticas institucionais voltadas às pessoas com deficiência (UFMT, 2017). A inclusão no mercado de trabalho implica na melhora da qualidade de vida e na maior visibilidade das habilidades e competências das pessoas com deficiência (PcD) (Lima, 2013). Todavia, mesmo com a Lei de Cotas há fatores que dificultam a inclusão desse público no mercado de trabalho, por exemplo a falta de conhecimento de gestores a respeito das competências e habilidades dessas pessoas para o trabalho, sendo a visão do gestor a respeito da deficiência um empecilho para a contratação (Nepomuceno & Carvalho-Freitas, 2008). Assim, a partir da influência do trabalho em diversos focos da vida em sociedade, nosso estágio teve como objetivo adentrar a Psicologia Organizacional e do Trabalho se dedicando à inserção das PcDs no mercado de trabalho. Dessa forma, fizemos um levantamento de dados com entrevistas e aplicação de questionário aos servidores com deficiência da UFMT campus Cuiabá. Optou-se por utilizar o Inventário de Satisfação com Fatores de Qualidade de Vida no Trabalho – o ISQVT, desenvolvido pela Profª Maria Nivalda de Carvalho-Freitas, que autorizou a utilização com cópias no formato padrão e outras adaptadas para os servidores que possuem baixa visão. Após o inventário, realizou-se uma entrevista semiestruturada, cujo roteiro foi elaborado em conjunto com a Profª Maria Aparecida. Na análise dos dados obtidos com o ISQVT, concluimos que a maioria dos servidores está satisfeita com sua situação atual de trabalho. As principais insatisfações foram em relação ao salário e benefícios, à progressão da carreira, às condições estruturais e de acessibilidade da universidade como um todo, com informações sobre saúde e segurança pessoal, falta de oportunidades para mostrar potencial e habilidades, resolução de conflitos dentro da universidade, empenho e interesse da instituição em implementar melhorias, ações do sindicato e representatividade e equilíbrio entre trabalho e lazer. Durante as entrevistas pudemos investigar esses pontos de insatisfação, entender porque alguns ocorrem e levantar outras situações. Após a análise de todos os dados, podemos concluir que as melhorias mais demandadas pelos servidores com deficiência são, respectivamente, as referentes à Infraestrutura do Campus e dos Equipamentos, a Consulta às PcDs sobre Adaptações e Obras, aumentar a Convivência e Conhecimento sobre as PcDs, existência de Representatividade, disponibilidade de Recursos, diminuir o tempo entre a Aprovação em Concurso e o Início das Atividades, ampliar as Ações de Saúde e Atividades de Integração para os servidores e ampliar a Segurança no Campus. Assim, diante das legislações existentes que asseguram a inclusão e a acessibilidade das pessoas com deficiência no âmbito trabalhista, pensando no significado do trabalho que é atribuído na vida das PcDs, que tira o sujeito do isolamento social, contribuindo para a melhora da autoestima, reconhecimento perante à sociedade e na melhora da qualidade de vida; e ainda, levando em consideração os dados levantados nesse estágio, principalmente os relatos dos servidores com deficiência da UFMT a respeito de suas vivências, dificuldades enfrentadas e expectativas de melhoria para o ambiente, concluímos que é fundamental que a instituição trabalhe de forma a garantir o cumprimento e a preservação dos direitos que asseguram às pessoas com deficiência, deixando no passado os processos de marginalização que essas pessoas sofreram com a privação  do acesso ao trabalho.

REFERÊNCIAS

LIMA, M. P; TAVARES, N. V; BRITO, M. J; CAPELLE, M. C. A; O sentido do Trabalho para as Pessoas com Deficiência. Revista ADM Mackenzie, v. 14. n. 2 - São Paulo - SP, abr. 2013.

NEPOMUCENO, M. F; CARVALHO-FREITAS, M. N; As Crenças e Percepções dos Gerentes e as Possibilidades de Trabalho das Pessoas com Deficiência. Psicologia em Pesquisa, UFJF - jan-jun. 2008.

UFMT. Fórum de acessibilidade e inclusão discute política para  PCDs na UFMT. 2017. Disponível em: http://www.ufmt.br/ufmt/site/noticia/visualizar/37490/Cuiaba Acesso em: 21/10/2018.