Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, SEMINÁRIO DO ICHS – Humanidades em Contexto: desafios contemporâneos (2017)

Tamanho da fonte: 
Povos indígenas e comunidades tradicionais: singularidade da existência e conflitos com o agronegócio
Eva Emilia Freire do Nascimento AZEVEDO, Anatália Daiane de OLIVEIRA, Cristiano Apolucena CABRAL, Edson CAETANO

Última alteração: 04-06-18

Resumo


Este texto tem como objetivo apresentar uma breve discussão acerca da existência dos povos indígenas e comunidades tradicionais e os conflitos gerados pelo agronegócio devido a singularidade dessa existência, que vem sendo discutida junto ao Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho e Educação (GEPTE) do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Trata-se de uma revisão bibliográfica sobre o assunto em questão. Conclui-se que os povos indígenas e as comunidades tradicionais são alvos da violência econômica-patrimonial, física e emocional, direcionadas pelo agronegócio e pela lógica do modo de produção capitalista, no entanto, eles e elas têm resistido, mantendo suas formas de produção da existência, baseadas no respeito ao ser humano e à natureza.

 


Palavras-chave


Povos indígenas e comunidades tradicionais; Existência; Conflitos; Resistência; Agronegócio

Referências


ALTIERI, M. Agroecologia: Bases científicas para uma agricultura sustentável. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

AMIN, S.; VERGOPOULOS, K. A questão agrária do capitalismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

BRASIL, Decreto, nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm>. Acesso em: 21 mar. 2017.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Agropecuário, 2006.

CAETANO, E.; NEVES, C. E. P. Entre cheias e vazantes: trabalho, saberes e resistência em comunidades tradicionais da baixada cuiabana. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 23, n. 53/2, p. 595-613, maio/ago. 2014. Disponível em: <http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/1756/1324>. Acesso em: 19 fev. 2016.

COMISSÃO PASTORAL DA TERRA (CPT). Conflitos no campo - Brasil. Goiânia: CPT, (de 1985 a 2016).

DIEGUES, A. C.; ARRUDA, R. S. V.; SILVA, V. C. F. da; FIGOLS, F. A. B.; ANDRADE, D. Os saberes tradicionais e a biodiversidade no Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal; São Paulo: USP, 2000.

FERNANDES, B. M.; WELCH, C. A. Campesinato e agronegócio da laranja nos EUA e Brasil. In: FERNANDES, B. M. (Org). Campesinato e agronegócio na América Latina. A questão agrária atual. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

GAWORA, D. O redescobrimento das comunidades. In: POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS: contribuições para outro desenvolvimento. Montes Claros: Unimontes, 2016.

KRENAK, A. Conferência “Estado, Capital e Territórios Tradicionais”. In: POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS: contribuições para outro desenvolvimento. Montes Claros: Unimontes, 2016.

LONDRES, F. Agrotóxicos no Brasil. Um guia para ação em defesa da vida. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2011.

MARTINS, J. de S. Os camponeses e a política no Brasil. As lutas sociais no campo e o seu lugar no processo político. Rio de Janeiro: Vozes, 1986.

SOUZA, A. F. G. de; BRANDÃO, C. R. Ser e viver enquanto comunidades tradicionais.  Mercator, Fortaleza, v. 11, n. 26, p. 109-120, set./dez. 2012. Disponível em: <http://www.mercator.ufc.br/index.php/mercator/article/viewFile/724/445>. Acesso em: 9 maio 2016.


Texto completo: PDF