Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, SEMINÁRIO DO ICHS – Humanidades em Contexto: desafios contemporâneos (2017)

Tamanho da fonte: 
Representação Discursiva de Pessoas em Situação de Rua nos Textos do Jornalismo On-line de Cuiabá
Juliano Batista dos SANTOS, Juliana ABONIZIO

Última alteração: 04-06-18

Resumo


Analisar os discursos, explícitos e implícitos, nas matérias jornalísticas nos permite identificar os arquétipos sobre como cada indivíduo ou grupos de indivíduos são representados pela imprensa. O artigo aqui proposto se baseia nessa ferramenta e sua construção parte da leitura e análises de reportagens escritas e publicadas on-line pelas mídias sociais locais de Cuiabá, mais especificamente as matérias em que os atores sociais são os moradores de rua. O objetivo é mostrar como esses sujeitos são vistos e representados nos textos noticiosos, bem como seus efeitos social e psicológico na vida das pessoas em situação de rua quando empregado termos nocivos nas reportagens.


Palavras-chave


Discurso; Jornalismo; Estigma

Referências


ALENCAR, Dilemário. Moradores de rua: o número de pessoas que moram em ruas tem aumentado. Mídia News. Cuiabá, 28 março de 2014. Disponível em: <http://www.midianews.com.br/conteudo.php?sid=262&cid=193304>. Acesso em: 18 maio 2017.

ALMEIDA, Delano. Morador de rua: da questão social para a questão midiática. Puçá: Revista de Comunicação e Cultura na Amazônia, Belém, v. 1, n1. p. 77- 102, jan./jun. 2011.

DELEUZE, Guilles. Conversações 1972-1990. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1992. (Coleção TRANS).

FOUCAULT, Michael. Microfísica do poder. 4ª ed. São Paulo: Paz & Terra, 2016.

______. Vigiar e punir. Nascimento da prisão. 20ª ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

FRANGELLA, Simone Miziara. Corpos urbanos errantes: uma etnografia da corporalidade de moradores de rua em São Paulo. São Paulo: Annablume, FAPESP, 2009.

GIORGETTI, Camila. Moradores de rua: uma questão social? São Paulo: PUC-SP, 2006.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Trad. Maria Célia Santos Raposo. 8ª ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

LAZZARATO, Maurício. Os conceitos de vida e do vivo nas sociedades de controle. In: ______. As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006. p. 59-94. (A Política no Império.).

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1989.

MATTOS, Ricardo M.; FERREIRA, Ricardo F. Quem vocês pensam que (elas) são? Representações sobre as pessoas em situação de rua. Revista Psicologia & Sociedade, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 47-58, maio/ago., 2004.

RESENDE, Viviane M. A violação de direitos da população em situação de rua e a violência simbólica: representação discursiva no jornalismo on-line. Revista Latinoamericana de Estudios del Discurso - ALED, v. 15, n. 1, p. 71-92, 2015.

______. Representação de pessoas em situação de rua no jornalismo on-line: quais são as vozes convocadas para falar sobre a situação de rua? Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 26, n. 3, p. 955-988, 2016.

SCHUCH, Patrice; GEHLEN, Ivaldo. A “Situação de rua” para além de determinismos: explorações conceituais. In: DORNELLES, Aline E.; OBST, Júlia; SILVA, Marta B. (Org.). A Rua em Movimento: debates acerca da população adulta em situação de rua na cidade de Porto Alegre. Belo Horizonte: Didática Editora do Brasil, 2012, p. 11-25.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo: a tribo jornalística: uma comunidade interpretativa transnacional. 2ª ed. Florianópolis: Insular: Posjor-UFSC, 2008. V. 2.

WEBER, Max. Metodologia das ciências sociais. 1. ed. São Paulo: Cortez, 1993.


Texto completo: PDF