Políticas das Modalidades

GT-1. Dívida Pública e Desregulamentação do Trabalho

A crise financeira no Brasil é resultado de um conjunto de medidas do poder público, que em busca de seu "desenvolvimento" tem criado dificuldades financeiras históricas e dependência permanente do país ao mercado financeiro internacional. Desta forma, é necessário conhecer e reconhecer que o grau de precariedade experimentado no Brasil, na lógica neoliberal, tem demandado reformas das instituições e desregulamentação do mercado de trabalho, nada mais é do que um Estado trabalhando a favor dos interesses do capital. Reformas Trabalhistas e da Previdência Social aparecem como instrumento de combate à "crise financeira", ainda que seja destruindo direitos sociais dos trabalhadores.

Diretores
  • Marluce Silva, Universidade Federal de Mato Grosso
Verificado Submissões Abertas Verificado Avaliada pelos Pares

GT-2. Epistemologia, Mente e Linguagens

Investigação sobre os fundamentos do conhecimento, sua natureza e suas implicações, os fundamentos das explicações científicas e suas relações com a filosofia da mente. Campos de pesquisa como epistemologia geral, epistemologia formal e aplicada, epistemologia social, filosofia da ciência, filosofia da mente, neurofilosofia, filosofia da informação, filosofia da psicologia, filosofia da linguagem, lógica, filosofia da matemática e filosofia da física são partes das contribuições pertinentes. A relação interativa entre esses campos é pautada pela questão fundamental de como o conhecimento se une e se ramifica a partir de conceitos de justificação e verdade.

Diretores
  • Beatriz Marques, UFMT
Verificado Submissões Abertas Verificado Avaliada pelos Pares

GT-3. Subjetividades, Corporalidades e Marcadores Sociais da Diferença no Mundo Contemporâneo

O Núcleo de Antropologia do Contemporâneo (NAPlus) da UFMT convida pesquisadores, estudantes de graduação e de pós-graduação da Antropologia e das Ciências Humanas a participarem do Grupo Temático Subjetividades, corporalidades e marcadores sociais da diferença no mundo contemporâneo”, que pretende reunir trabalhos cujos temas sejam os das produções das subjetividades, das identidades e das corporalidades no contexto contemporâneo. Tais temáticas sofreram um grande afluxo de pesquisadores e pesquisadoras nas últimas décadas e tem se consolidado no âmbito das Ciências Humanas e Sociais como uma área de investigação relevante com a produção de instigantes trabalhos que dialogam e vem questionar as grandes dualidades que fundamentam o imaginário ocidental. Assim, esse GT buscará dialogar com trabalhos que enfoquem os temas dos modos de subjetivação, das identidades, das corporalidades, dos gêneros, das sexualidades, das configurações familiares insurgentes sejam nas cidades ou em contextos interioranos, caboclos, ribeirinhos e em situações etnicamente diferenciadas, indígenas e quilombolas. Desse modo, o GT objetiva: (1) instigar as reflexões nas Ciências Humanas, em particular, sobre a construção das corporalidades, das produções de subjetividades e da diversidade sexual e de gênero em situações rurais e em contextos etnicamente diferenciados, mas não exclusivamente; (2) articular o debate sobre corpos, subjetividades e identidades entre as pesquisas desenvolvidas no contexto das cidades, em situações rurais e em contextos etnicamente diferenciados; (3) apresentar novos resultados de pesquisas realizadas nesses contextos (no Brasil em particular e nas Américas como um todo); (4) propor mais aportes teóricos ampliadores de análises e planear metodologias inovadoras para lidar com essas temáticas.

Diretores
  • Moisés Lopes, UFMT
  • Márcio Nascimento
Verificado Submissões Abertas Verificado Avaliada pelos Pares

GT-4. Antropologia, Direitos Indígenas, Quilombolas e Comunidades Tradicionais em Diálogo com o Sistema Jurídico do Brasil

Este Grupo de Trabalho propõe discutir etnografias, estudos e relatos de experiências sobre racismo, pré (conceitos) e discriminação, atuações indígenas, quilombolas e de comunidades tradicionais em diálogo com os regulamentos e práticas jurídicas oficiais. Muitas instituições oficiais têm atuado junto às populações indígenas e tradicionais controlando práticas e intervindo em seus modos de vida, rituais e cerimônias, cujas ações revelam sinais de novas formas de colonização. Por outro lado, a agência indígena e os movimentos sociais também se apropriam das “formas jurídicas” e produzem iniciativas de defesa de seus direitos em diálogo com o sistema jurídico oficial. A antropologia pode contribuir nessa relação por meio da “tradução cultural” de questões indígenas e das comunidades tradicionais.

Diretores
  • Aloir Pacini
  • Verone Silva
Verificado Submissões Abertas Verificado Avaliada pelos Pares

GT-5. Antropologia, Criminalidade e Sistema Penitenciário

O objetivo deste Grupo de Trabalho é articular as pesquisas que tratam de investigações etnográficas, estudos antropológicos e/ou trabalhos de cunho qualitativo sobre o sistema penitenciário, a violência e a criminalidade, em especial no estado de Mato Grosso. Objetiva-se, em primeiro lugar, discutir as temáticas e tendências antropológicas e das ciências sociais sobre violência e sistema penitenciário, e, em segundo lugar, constituir um fórum de discussão sobre pesquisas de cunho qualitativo, empíricas, com base em pesquisa de campo, sobre questões criminais em suas articulações com a violência e o sistema penal.

Diretores
  • Clark Mangabeira, UFMT
  • Eliane Montanha
Verificado Submissões Abertas Verificado Avaliada pelos Pares

GT-6. Sociedade e Ambiente: questões rurais e urbanas (Serviço Social)

Este Grupo de Trabalho propõe discutir aspectos diversos que incidam sobre território e sociedade em áreas rurais e urbanas, estudos e relatos de experiências sobre racismo ambiental, questões afetas a territórios indígenas, quilombolas e de comunidades tradicionais. Cabem também às discussões sobre agricultura familiar, agronegócio, trabalhadores rurais e quaisquer outros que sejam afetos a temática.

Diretores
  • IRENILDA santos, UFMT
Verificado Submissões Abertas Verificado Avaliada pelos Pares

GT-7. Consumo e Cultura

O presente GT incentiva o envio de trabalhos que tratem das manifestações do consumo na cultura contemporânea e reflitam sobre o fenômeno do consumo como distinção social, como construção de identidades, como forma de pertencimento e como cultura material dentre outras abordagens.

Diretores
  • Juliana Abonizio, Universidade Federal de Mato Grosso
Verificado Submissões Abertas Verificado Avaliada pelos Pares

GT-8. Gênero, Corpo e Subjetividades na Contemporaneidade

Este GT tem por objetivo refletir sobre os desafios e as perspectivas contemporâneas relacionadas a gênero, corpo e subjetividades, tanto na interseção entre os temas como em suas especificidades. A partir da perspectiva das Ciências Sociais, pretende-se compreender as transformações e os processos que ocorrem em relação a práticas corporais, subjetividades, sexualidades e representações de gênero em diferentes contextos sociais: relações familiares, trabalho, escola, universidade, comunidades sexuais dissidentes, mídia, entre outras instituições sociais. Serão problematizados temas transversais com outros marcadores sociais como classe, raça, etnia, idade, religião e geração.

Diretores
  • Silvana Bitencourt, Universidade Federal de Mato Grosso
  • Elton Corbanezi, Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS), UFMT, Campus de Cuiabá.
  • Flávio Tarnovski
Verificado Submissões Abertas Verificado Avaliada pelos Pares

GT-9. Ensino de Filosofia

A proposta deste GT tem razão de ser dada à oportunidade de problematizar o ensino de Filosofia e sua relação com a Filosofia propriamente dita. Aspectos como a formação do professor de Filosofia, o currículo do curso de Licenciatura em Filosofia, o currículo da disciplina de Filosofia no ensino médio,  os sentidos do livro didático de Filosofia, a prática pedagógica do professor de Filosofia, a política pública educacional que vem orientando o ensino de Filosofia serão abordados. Com a eminente perda da obrigatoriedade do ensino de Filosofia no currículo do ensino médio brasileiro, é fundamental refletir sobre o impacto que essa política vem tendo na educação nacional, desde a formação do professor de Filosofia até o que é efetivamente o ensino disciplinar de Filosofia.

Objetivos: possibilitar o debate em torno da formação acadêmica do professor de Filosofia; problematizar o ensino de Filosofia no ensino médio; - debater os diferentes aspetos da prática pedagógica no ensino da Filosofia, tanto na educação básica como no ensino superior;

Delimitação da Temática do grupo: A temática do GT abrangerá as questões referentes ao ensino de Filosofia no ensino médio abarcando desde os diversos aspectos da formação dos professores de Filosofia e a prática docente do professor de Filosofia, bem como as políticas educacionais que vêm orientando o ensino de Filosofia.

Diretores
  • Ari Brito
Verificado Submissões Abertas Verificado Avaliada pelos Pares

GT-10. Mulheres, Classe e Direitos Humanos

Os direitos humanos das mulheres devem ser garantidos e efetivados em todos os espaços, discussão sobre marcadores sociais da diferença, como classe, raça/etnia, sexualidades, gerações, de origem e lugar. Reflexão crítica às novas e velhas configurações sociais e políticas que abarcam os múltiplos feminismos em diferentes temporalidades e em determinados contextos através de diversas conjunturas. Mulheres, corpo e saúde. Mulheres em privação de liberdade. Mulheres do campo. Adolescentes, Mulheres quilombolas. Mulheres indígenas. Perspectivas históricas, sociológicas, educacionais e antropológicas dos movimentos de mulheres e/ou feministas.

Diretores
  • Silvana Bitencourt, Universidade Federal de Mato Grosso
  • Elton Corbanezi, Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS), UFMT, Campus de Cuiabá.
  • Flávio Tarnovski
Verificado Submissões Abertas Verificado Avaliada pelos Pares

Concurso - Ensaio Acadêmico

Verificado Submissões Abertas Verificado Avaliada pelos Pares