Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
AVALIAR PRESENÇA DO EFEITO NEUROPROTETOR DA ROSIGLITAZONA NO MODELO DE COMPORTAMENTO DEPRESSIVO INDUZIDO POR LIPOPOLISSACARÍDEO (LPS) EM CAMUNDONGOS.
Íris Juliana Viotto Stupp

Última alteração: 27-09-17

Resumo


Resumo: Depressão é uma das doenças psiquiátricas mais comuns na atualidade e tem grande impacto na qualidade de vida dos pacientes. Apesar da fisiopatologia da depressão não estar totalmente elucidada, evidências indicam que aumentos nos níveis de citocinas pró-inflamatórias estão associados aos sintomas depressivos e que a inibição do processo inflamatório pode aliviar esses sintomas. Nesse sentido, as glitazonas são agonistas do receptor ativado por proliferadores de peroxissomos gama e tem ação anti-inflamatória comprovada. Neste sentido o projeto em questão utiliza o modelo de comportamento depressivo induzido pelo LPS, devido esta substancia estimular a síntese de citocinas pró-inflamatórias relacionadas ao desenvolvimento de transtornos depressivos. Este modelo permite além da avaliação comportamental, a dosagem de mediadores inflamatórios, neurotróficos e do estresse oxidativo (GSH, TBARS, TNF-α e BDNF). O projeto visa avaliar a efetividade neuroprotetora da rosiglitazona no tratamento do comportamento depressivo induzido por LPS através de modelos experimentais. As glitasonas são agonistas do receptor ativado por proliferadores de peroxissomos gama (PPAR-γ) que induzem a transcrição de genes relacionados ao metabolismo glicídico e lipídico além da expressão de proteínas produzidas e/ou liberadas no processo inflamatório (BUSS et al, 2011). Portanto com o objetivo de avaliar se a rosiglitasona promove ou auxilia a proteção neurológica quanto ao desenvolvimento do comportamento depressivo investigando assim se o tratamento com rosiglitazona altera as concentrações de TNF-alfa e BDFN no hipocampo de camundongos tratados com LPS. E ademais avaliar as concentrações de glutationa reduzida e TBARS em camundongos tratados com rosiglitazona após a aplicação de LPS se caracterizam a neuroproteção.

 

Palavras-chave: Depressão; LPS; Glitasonas.