Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Níveis de heterozigosidade e frequência alélica de adultos e progênies de castanheira-do-brasil
Luana Della Giustina, Aisy Botega Baldoni, Leonarda Grillo Neves

Última alteração: 29-09-17

Resumo


O estudo da genética de populações busca compreender a distribuição dos genes e como as frequências destes genes e genótipos são mantidas ou alteradas ao longo de gerações, além de determinar a composição genética e as forças que determinam e alteram esta composição. Com a intervenção do homem nas florestas nativas, fundamenta-se a importância de estudos populacionais a fim de verificar sua diversidade genética. Bertholletia excelsa Bonpl. (Lecythidaceae), a castanheira-do-brasil é uma espécie conhecida pela comercialização de suas amêndoas. O corte de sua madeira foi proibido por lei, pois está na lista de espécies ameaçadas. Devido a esta condição de espécie, torna-se importante o estudo genético de suas populações naturais. Para tanto, o objetivo do trabalho foi avaliar a diversidade genética e a frequência alélica de castanheira-do-brasil, advindas de uma população natural e suas progênies. Coletou-se o câmbio vascular ou a folha de 96 indivíduos adultos produtivos e de 122 indivíduos juvenis em uma população natural de Itaúba, MT. Além dos genótipos advindos da população natural, foram coletadas folhas de 300 progênies germinadas em casa de vegetação a qual foram plantadas a partir de nove matrizes do grupo de indivíduos de adultos produtivos. Foi extraído o DNA total e realizadas as amplificações via PCR com dez locos microssatélites previamente desenvolvidos para a espécie (BET12, BET14, BET15, BET16, BEX02, BEX09, BEX22, BEX27, BEX33 e BEX37). Os tamanhos dos alelos em pares de base foram obtidos pela técnica de eletroforese capilar e detectados com auxílio do programa GeneMapper. Os dados extraídos do programa GeneMapper, foram arredondados no software Allelobin. Os parâmetros genéticos como, a heterozigosidade esperada (He) e observada (Ho) foi calculada no software GDA. A frequência alélica foi estimada no programa estatístico Fstat. A He ou diversidade gênica variou de 0,487 a 0,526, demonstrando que há diversidade entre os grupos avaliados. A He foi maior que a Ho em todos os grupos. O valor médio para os índices considerando os três grupos foi de 0,559 para Ho e 0,512 para He. Com o resultado das frequências alélicas, há predominância de um ou dois alelos com maior frequência para todos os grupos estudados. Os alelos com frequência inferior a 5% eram considerados raros e o alelo quando só estava presente em um dos grupos foi chamado de privado. Do total de 51 alelos, 29,41% foram alelos raros e 13,72% de alelos privados. Quando um indivíduo é portador destes alelos privados contribuem para manutenção dos níveis de heterozigosidade, que pelo fluxo gênico estes alelos são disseminados para outras subpopulações. Por sua vez, se uma população apresenta altas taxas de indivíduos heterozigotos favorecem uma maior quantidade de combinações genotípicas para próximas gerações, além de capacitar as populações a adaptação local e também em colonizar novos ambientes.