Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Grãos de destilaria em suplementos de recria para bovinos à pasto durante a estação seca do ano
ADRIANO JORGE POSSAMAI, JOANIS TILEMAHOS ZERVOUDAKIS, PEDRO IVO JOSÉ LOPES DA ROSA E SILVA, LUCIEN BISSI DA FREIRIA

Última alteração: 29-09-17

Resumo


Objetivou-se avaliar o desempenho zootécnico e econômico da utilização de grãos de destilaria (DDGS) em suplemento proteico-energético para recria de bovinos nelore na época seca do ano. Foram utilizados 48 bovinos, machos, não castrados, Nelore, com idade e peso inicial de 24±4 meses e 428,32±35,40 kg, respectivamente, distribuídos em lotes de três animais. Cada formulação de suplemento foi fornecida para 12 animais, alocados em quatro piquetes distintos randomicamente. Avaliou-se níveis crescentes de utilização do DDGS na formulação em substituição ao milho e farelo de soja nos níveis de 0% (0D), 30% (30D), 60% (60D) e 90% (90D), de modo que os suplementos fossem isoproteicos com fornecimento de 2 kg/animal/dia. Foram realizadas três pesagens, aos 28, 56 e 84 dias de experimentos, bem como coleta e amostragens da forragem e suplemento ofertado a cada 14 dias para caracterização da dieta ingerida pelos animais, além de tomada de preços dos insumos e animais para avaliação econômica. Houve redução na disponibilidade de forragem ao longo do período experimental, especialmente na porção de lamina foliar. Não houve diferença para ganho médio diário aos 28º; 56º ou 84º dia (P>0,05) para nenhuma das formulações, sendo em média, 1,57; 1,18 e 0,877, respectivamente, atribuindo-se a redução à abrupta redução na disponibilidade e qualidade do dossel forrageiro. Assim também o peso final não foi afetado (P>0,05), com média de 502,16 kg. Portanto nutricionalmente o DDGS mostrou viabilidade em substituir quase que na sua totalidade o milho e farelo de soja, restando apenas o caráter econômico para determinar sua utilização. Independente da formulação utilizada, a suplementação na época seca do ano mostrou resultado positivo. Entretanto, a viabilidade econômica foi incrementada a media que o DDGS foi incluído no suplemento. Com redução no custo da arroba produzida na ordem de 7,49; 15,11 e 22,70% para os suplementos 30D; 60D e 90D, Respectivamente, comparados ao 0D (padrão) em virtude da redução no custo do suplemento, associada a manutenção do desempenho dos animais. Desta maneira a receita líquida foi incrementada em 69,26; 139,71 e 209,92% para a utilização dos suplementos 30D; 60D e 90D, respectivamente, constata-se, assim aumento expressivo na receita liquida, especialmente quando se considera a situação atual da pecuária, em que a margem líquida de lucro esta cada vez menor, em virtude do aumento nos custos com mão de obra e aquisição ou locação de terras. A utilização de até 90% de DDGS em suplemento mineral-proteico-energético para recria de touros a pasto não influencia o desempenho e a medida que se inclui DDGS na formulação há redução no custo de produção e incremento na lucrativadade do sistema.