Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Qualidade química de um Latossolo Vermelho-Amarelo sob sistemas integrados de produção
Matheus Bortolanza Soares, Onã da Silva Freddi

Última alteração: 16-10-17

Resumo


A região do Cerrado apresenta mais da metade das pastagens em algum estágio de degradação, ou seja, 32 milhões de hectares de pastagens degradadas, correspondendo a 60% de toda pastagem cultivada neste bioma. Esse fato se é atribuído devido às mesmas terem sido formadas e conduzidas de forma inadequada, em razão de superpastejo, ausência de adubação e de manutenção e emprego de espécies inadequadas para as condições da região. Diante desse exposto, surge como forma alternativa de manejo a integração lavoura-pecuária (ILP), na qual permite a utilização de sistemas de exploração em esquemas de rotação, onde se alternam anos ou períodos de pecuária com a produção de grãos, alternando-se o uso da terra, no tempo e no espaço, entre a lavoura e pecuária. Diante dessa importância se faz necessário estudos para avaliar a variabilidade espacial da qualidade do solo sob diferentes sistemas de manejo que promovam acréscimo da matéria orgânica do solo. O objetivo do estudo foi determinar a qualidade química do solo submetido ao cultivo convencional, soja/milho em semeadura direta, sistemas integrados de produção e mata nativa por meio do teor de matéria orgânica do solo. O estudo foi realizado na Unidade de Referência Tecnológica (URT) da EMBRAPA Agrossilvipastoril, localizada no município de Querência, nordeste do Estado de Mato Grosso, situada nas coordenadas 12º35’48’’ S e 52º11'48’’ O. O clima na região é tropical (Aw de acordo com a classificação de Köppen) com duas estações bem definidas: uma chuvosa (entre outubro a abril) e outra seca (maio a setembro). O solo é classificado como Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico de textura média, com 565 g kg-1 de areia, 109 g kg-1 de silte e 326 g kg-1 de argila. Em março de 2007, a URT foi dividida em cinco tratamentos de 22 ha, onde cada tratamento era submetido a um esquema de rotação de culturas, onde no último ano agrícola (2013/14 e 2014) o tratamento 1 (T1), tratamento 2 (T2) e tratamento 3 (T3) foram cultivados com a variedade de soja P98Y12, tendo na safrinha o cultivo do sorgo em sistema de plantio direto, enquanto o tratamento 4 (T4) e tratamento 5 (T5) foram cultivados com Brachiaria brizantha cv. Piatã e Brachiaria ruziziensis, respectivamente. Para fins de comparação utilizou-se uma área de mata nativa e uma área de sistema de plantio em semeadura direta soja/milho. Para determinação do carbono do solo foi coletado 170 amostras de solo na profundidade de 0 a 0,10 m. Para determinação do carbono total do solo, utilizou-se à metodologia do analisador elementar de CHNS (modelo vario MACRO cube CHNS, Elementar, Hanau/Alemanha) da EMBRAPA Agrossilvipastoril. Com os dados obtidos no experimento foi possível notar que o T2 foi capaz de não só manter carbono como de incorporar, fazendo com que os valores obtidos fossem maior do que a mata nativa e que o sistema convencional, enquanto que os sistemas T4 e T5 que mantiveram mais de 2 anos e meio com pasto, perderam carbono, sendo um indicativo de retornada de lavoura nessas áreas.

Palavras-chave: Carbono, Sustentabilidade, Manejo do solo