Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Estudo da proveniência de sedimentos da Formação Dardanelos, Grupo Caiabis, norte de Mato Grosso
Mariana de Assunção Rodrigues

Última alteração: 09-10-19

Resumo


O objetivo do estudo da proveniência das rochas siliciclásticas é compreender quais as fontes dos detritos sedimentares e os mecanismos de erosão e transporte que moveram tais partículas de suas áreas fontes até os sítios de deposição. Dentre as técnicas analíticas, a petrografia, o estudo dos minerais pesados, a geocronologia e a análise de isótopos estáveis são instrumentos de imensa relevância. A área de estudo o compreende o Grupo Caiabis, o qual ocorre na região noroeste de Mato Grosso cobrindo rochas predominantemente graníticas e riolíticas no Domínio Roosevelt Aripuanã, Cráton Amazônico (Frasca e Borges, 2004). As rochas deste Grupo são divididas entre Formação Arinos e Formação Dardanelos, composta por rochas sedimentares detríticas. Dentro dessa perspectiva, o objetivo dessa pesquisa é fornecer informações acerca da origem dos sedimentos presentes no Grupo Caiabis, mais precisamente na Formação Dardanelos, haja vista que esta cobertura sedimentar ainda carece de estudos mais aprofundados. Até o momento as rochas foram caracterizadas macroscopicamente e em lâmina delgada por microscópio petrográfico. Utilizou-se os diagramas de classificação de rochas terrígenas de Folk et al. (1970) e dos de proveniência tectônica de Dickinson (1985) in Zuffa (1985). Uma parte do material foi peneirado em duas frações, 0,125mm e 0,063mm e separados gravimetricamente, a fim de separar os minerais pesados. Da assembleia de minerais pesados, os grãos transparentes e não micáceos de cada fração foram estudados usando o índice ZTR (zircão, turmalina e rutilo) conforme proposto por (Hubert, 1962). Os grãos também foram estudados com base em sua morfologia e grau de corrosão (Andò et al., 2012; Nascimento e Góes, 2005). Dentre as rochas analisadas, alguns arenitos apresentam composição litarenítica, granulometria fina, cimentação de sílica e óxido de ferro, baixa esfericidade e arredondamento do tipo ânguloso a subanguloso. São rochas bem selecionadas, textural e mineralogicamente maturas e conforme os diagramas de proveniência tectônica pertencem a orógenos reciclados. O índice ZTR (58,35%) sugere maturidade e participação de mais de um ciclo de sedimentação. A respeito dos grãos transparentes não micáceos, foram encontrados zircão, turmalina, rutilo e subordinadamente outros minerais como andaluzita, apatita e espinélio, tanto em arenitos quanto em conglomerados. Os grãos de zircão mais eudrais indicam fontes mais proximais enquanto que zircões mais arredondados mostram fontes mais distais com grande transporte e reciclagem de sedimentos. Os irregulares e corroídos indicam processos de intemperismo físico e químico respectivamente, além de participação em mais de um ciclo de sedimentação. As características morfológicas das turmalinas e rutilos demonstram estágios iniciais de corrosão que podem estar relacionados com a ação de intemperismo químico em ambiente tropical, porém outras análises se fazem importantes para compreender aspectos de paleoclima. Contudo, os dados obtidos sugerem fontes félsicas e de reciclagem de sedimentos. A presença de minerais metamórficos pode indicar fontes do embasamento e a presença de espinélio sugere fonte máfica a ultramáfica podendo estar relacionada a Formação Arinos ou aos diques máficos da região.