Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Sorção de zinco e cádmio por biocarvão de dejeto suíno em Neossolo Quartzarênico
Wellyton Santos Assis, Eduardo Guimarães Couto

Última alteração: 29-09-17

Resumo


A produção de resíduos “subprodutos” da agropecuária e agroindustrial tem se tornado uma grande preocupação ambiental, devido aos volumes gerados, quanto a sua destinação e manejos, como resíduos de dejetos de suínos. Os dejetos de suínos por conter elevadas concentrações de metais pesados cádmio (Cd) e zinco (Zn), pode causar acúmulo desses metais na cama superficial do solo, ao ponto dessas concentrações serem tóxicas para as plantas. Estudos têm comprovado contaminações do solo por metais pesados, provocado pela aplicação de fertilizantes, defensivo agrícola que aparentemente parece pequena, mas é necessário o monitoramento, acompanhando as concentrações no solo. Uma das possíveis alternativas para mitigar tais problemas seria a transformação de resíduos agropecuários com elevadas concentrações de metais pesados em biocarvão, desta maneira sorvendo e indisponibilizando os metais pesados dos resíduos e os adicionados via fertilizantes dentre outras formas. Diante destas informações, resíduos agropecuários ao serem transformados em biocarvão, pressupõem-se que auxiliará na adsorção de metais pesados acumulados no solo. Objetiva-se avaliar a capacidade do biocarvão de dejeto suíno em adsorver e dessorver metais pesados no solo, determinando qual dose de biocarvão aplicado ao solo garantirá maior adsorção e reduzirá a dessorção dos metais pesados. O estudo será realizado no laboratório de fertilidade do solo da Faculdade de Agronomia e Zootecnia da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá. O Neolosso Quartzarênico utilizado no experimento será advindo de área agrícola do município de Campo Verde- MT. O delineamento experimental será inteiramente casualizado, em esquema fatorial 5x2x6 com quatro repetições. Utilizará biocarvão de dejeto suíno proveniente da fração sólida com temperatura de pirólise de 400º C, sendo cinco doses de biocarvão (0; 5; 15; 30 e 60 Mg.ha-1), dois metais pesados zinco e cádmio em seis diferentes concentrações dos metais (0; 2,5; 5,0; 10,0; 50 e 100 mg.L-1). O solo será incubado com as diferentes doses do biocarvão sob condição de capacidade de campo em 60% no período de trinta dias, após este período o solo incubado será seco novamente por 24 horas. Para a análise de adsorção dos metais pesados entre a associação do solo mais o biocarvão, seguirão o método de Batch slurry, realizado em quadruplicada para a determinação da quantidade de metais adsorvidos e dessorvidos. Quando os dados apresentarem distribuição normal serão submetidos à análise de variância, aplicando-se o teste de média Tukey e para testar o efeito das doses, realizará análise de regressão com auxílio do programa SISVAR. Espera-se proporcionar alternativas para o manejo dos resíduos sólidos da suinocultura, minimizando a aplicação do dejeto suíno que seriam aplicados “in natura” ao solo, uma vez que, com a transformação deste resíduo em biocarvão diminuirá os riscos de contaminação do ambiente, atuando como agente remediador nas áreas sob elevadas concentrações de metais pesados.