Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Sobre a habilidade ou não das teorias infinitistas em solucionar o problema do regresso
Ana Stela Rossito Carneiro

Última alteração: 25-09-17

Resumo


Em sua obra Esboços Pirrônicos, Sexto Empírico apresenta o problema do conhecimento como a impossibilidade de se adquirir um conhecimento que supra as necessidades apontadas por Platão em seu diálogo com Mênon: ser crença, ser verdadeiro e ser justificado. Chamado inicialmente de Cinco Tropos de Agripa, por possuir 5 movimentos, foi posteriormente simplificado a três, em seu formato mais atual, o Trilema de Agripa é composto por: regresso infinito, circularidade e parada arbitrária. Em busca de escapar dos problemas apresentados pelos céticos, a respeito do conhecimento, existem tentativas que visam provar ser possível estar justificado ao crer que algo é um conhecimento. Tais tentativas são alternativas aos desafios céticos e as três mais famosas se apropriam das formas do trilema, assim, temos: infinitismo, coerentismo e fundacionalismo respectivamente. Cada uma das alternativas tentam um modo de mostrar ser possível o conhecimento, o fundacionalismo aposta em uma crença fundacional como base; o coerentismo em uma rede de crenças auto-sustentável; já o infinitismo se fia em uma cadeia infinita de razões, regida por dois princípios centrais, o Princípio de Eliminação de Arbitrariedade e o Princípio de Eliminação de Circularidade. Segundo Klein, o autor da teoria Infinitista, para que o infinitismo seja provado falso, é necessário que um de seus princípios também o seja. O objetivo do trabalho é apresentar o infinitismo e analisar sua habilidade em resolver o problema do conhecimento.