Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
O sistema de gênero e a cidade gendrada na ontogênese do conhecimento social das crianças
Paula Figueiredo Poubel

Última alteração: 27-09-17

Resumo


O presente estudo intenta compreender e analisar a relação entre o sistema de gênero e a construção do conhecimento social de crianças sobre a cidade de Cuiabá. Este encontra-se inserido no projeto guarda-chuva intitulado “A construção do conhecimento social por crianças: estudo sobre vivências e significações infantis” e se desenvolve junto ao Grupo de Pesquisa em Psicologia da Infância (GPPIN). A perspectiva teórica assumida ancora-se na abordagem psicossocial estabelecendo diálogo entre a Teoria das Representações Sociais e a Teoria Histórico-Cultural além de se inspirar na Sociologia da Infância. Deste modo, compreende as crianças como atoras sociais, com participação ativa no processo de construção de significações sobre a realidade. A cidade é compreendida como artefato cultural delineado por redes de significados construídas historicamente de forma que o espaço urbano, enquanto corpo de conhecimento social, atua desde o nascimento das crianças enquanto meio que comunica representações sociais e práticas, forjadas e negociadas em relações de poder, como o sistema de gênero. Dessa forma, contemplando as dimensões sócio, onto e microgenética do desenvolvimento do conhecimento social, o estudo delineia o processo de produção dos dados buscando a visibilidade científica da infância nos três momentos descritos na sequência: 1. Pesquisa do tipo etnográfica (observação de dois grupos sendo um de 5 anos e outro de 7 anos); 2. Produção de mapas cognitivos e entrevistas no grupo das meninas e dos meninos (crianças de 5 e 7 anos); 3. Construção de um mapa cognitivo da cidade por meninas e meninos, seguido de grupo focal (crianças de 7 anos). Dessa forma, objetiva-se analisar os processos de compartilhamento e negociação de sentidos decorrentes das vivências na cidade e a partir disso refletir sobre a construção da dimensão identitária na infância.