Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Estado nutricional, características socioeconômicas e de saúde de crianças de mulheres haitianas em Cuiabá-MT
Delma Riane Rebouças, Ana Paula Muraro

Última alteração: 26-09-17

Resumo


O cresc

imento e o desenvolvimento na infância têm importantes repercussões na vida futura do indivíduo e muitos fatores podem influenciar diretamente essa fase da vida. Para algumas nacionalidades, a condição de imigrante em nosso país pode estar relacionada à condicionantes e determinantes de saúde da criança, como baixa condição socioeconômica da família, falta de acesso a serviços básicos e alimentação inadequada. Paralelo ao aumento no número de imigrantes haitianos em idade produtiva no Brasil, encontram-se crianças que acompanham seus pais nessa nova etapa, ou mesmo criança que nasceram no Brasil, no entanto, poucos estudos foram encontrados acerca deste tema. Nesse sentido, o presente trabalho tem por objetivo analisar as características demográficas, socioeconômicas, obstétricas e de cuidado em saúde e sua associação com indicadores antropométricos de crianças haitianas ou de descendência direta residentes em Cuiabá-MT. Trata-se de um estudo transversal, de caráter censitário. Os dados foram coletados por meio de entrevista, por entrevistador bilíngue, com informações acerca das condições socioeconômicas da família, histórico gestacional da mãe, acompanhamento pré-natal, parto e pós-parto referente à criança pesquisada e histórico de saúde/doença da criança. Também foram avaliados dados antropométricos da criança, sendo analisados os indicadores: índice de massa corporal (IMC), estatura/comprimento e perímetro cefálico (menores de dois anos), adotando o critério de escore-z para classificação, segundo sexo e idade da criança. Foram calculadas as distribuições de frequências, medidas de tendência central e dispersão das variáveis de interesse. Os indicadores antropométricos foram testados pelo teste de Kolmogorov-Smirnov e, apresentando distribuição paramétrica, foram utilizados Teste T de Student ou ANOVA para testar diferenças significativas de médias entre os grupos, considerando o nível de significância de 5%. Para análise dos dados foi utilizado o programa SPSS, versão 17.  Foram avaliadas 67 crianças, 73,2% com até 24 meses de idade e 34,3% do sexo masculino. Apenas duas crianças (2,98%) apresentaram IMC para idade menor que -2 escore z (magreza) e nenhuma crianças foi classificada com excesso de peso (>2 escore z). Foi observado expressiva proporção de famílias com renda per capita inferior a 1/4 de salário mínimo (65,6%), sem acompanhamento domiciliar pela ESF (88,1%) e elevada carga horária de trabalho das mães (43,3%). Verificou-se associação do início do pré-natal até o terceiro mês de gestação e do sexo feminino com maiores médias de IMC para idade. Os resultados do presente estudo possibilitaram conhecer o perfil socioeconômico, bem como as condições básicas de saúde das crianças descendentes de mulheres haitianas em Cuiabá-MT. Tais dados apontam condições socioeconômicas precárias dessa população e que o estado nutricional dessas crianças encontra-se em níveis semelhantes às crianças brasileiras de baixa renda e melhor às estimadas para as crianças de mesma faixa etária que residem no Haiti.

Palavras-chave: Saúde da Criança; Emigração e Imigração; Estado Nutricional.