Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
A CONTEXTUALIZAÇÃO NO CURRÍCULO DE CURSOS DE LICENCIATURA DA ÁREA DAS CIÊNCIAS NATURAIS: UMA ANÁLISE NO CENÁRIO AMAZÔNICO.
Mary Tânia dos Santos Carvalho

Última alteração: 28-09-17

Resumo


A presente pesquisa põe em pauta políticas curriculares para a formação de professores da área das Ciências Naturais, no cenário amazônico, observando proposições teóricas e práticas de diálogos entre cultura científica e cultura popular. O propósito central é buscar resposta para a seguinte problematização: Como a contextualização é apresentada em textos curriculares e promovida em cursos de formação de professores da área das ciências naturais de uma universidade pública da Amazônia? Parte-se do pressuposto de que o princípio da contextualização impele à adoção de políticas curriculares que buscam estabelecer diálogos entre culturas, a fim de dar sentido político-social ao currículo. O caminho metodológico inclui os seguintes procedimentos: a) Elaboração de uma cartografia das teses de doutorado produzidas no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC), mais especificamente na linha de pesquisa Formação de professores; b) Definição do referencial teórico que fundamenta a análise das questões que balizam a produção desta pesquisa a partir de autores que favorecem o estabelecimento de interfaces entre políticas curriculares, cultura (concebida no plural) e saberes do povo amazônico; c) Análise das políticas curriculares (internacionais e nacionais) para a formação de professores, dando destaque ao princípio da contextualização; d) Análise de Projetos Pedagógicos de Cursos de licenciatura da área das Ciências Naturais do CESP/UEA bem como de práticas pedagógicas fundadas no diálogo entre cultura acadêmica e cultura do povo amazônico. Dados preliminares motivam o entendimento de que a formação de professores fundamentada no diálogo entre conhecimentos acadêmicos e saberes amazônicos potencializa a educação em ciências naturais porque questiona sentidos atribuídos à ciência, à cultura e à educação em ciências naturais. Espera-se que o estudo aqui apresentado possa contribuir nos debates sobre a formação de professores para a região amazônica e para a produção de políticas curriculares que levam em conta as demandas dos contextos locais.