Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
ESTUDO DA BIODEGRADAÇÃO DOS PESTICIDAS CIPERMETRINA E ATRAZINA POR FUNGOS DE SEDIMENTO FLUVIAL
Cassiano Reinehr Corrêa Correa, Eduardo Beraldo de Morais, Viviane Cristina Padilha Lopes

Última alteração: 07-10-19

Resumo


A agricultura destina para colheita o equivalente de 9,3% do território brasileiro, isso representa 79 milhões de hectares, área superior a diversos países do continente europeu. Além disso, mais de 77% dessa área é destinada a culturas temporárias de cereais, leguminosas e oleaginosas, tais como a soja, milho, arroz e algodão. O impacto dessa produção no consumo de pesticidas é diretamente proporcional, logo, o Brasil está entre os maiores consumidores de produtos químicos para o beneficiamento da atividade agrícola, consumindo aproximadamente 540 mil toneladas de ingredientes ativos anualmente. Uma vez que o consumo é alto, estes produtos são encontrados no solo, água e ar, e estando presente nas diversas matrizes causam efeitos tóxicos ao ambiente e a vida humana. Diversas alternativas estão sendo pesquisadas para degradar esses compostos, desde processos físicos, químicos e biológicos. A remediação por via biológica é vista como uma alternativa sustentável e de baixo custo. Para viabilizar economicamente e em escalas produtivas, se faz necessário estudos de biodegradação com diversos microrganismos, e neste contexto é que está inserido o trabalho, que busca avaliar se fungos isolados de sedimentos fluviais contaminado com insumos agrícolas apresentam capacidade de biodegradação de pesticidas.

Palavras-chave


Biorremediação. Contaminação. Insumos agrícolas