Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS ALIMENTADOS COM FARELO DE ALGODÃO CONSORCIADO COM COMPLEXO ENZIMÁTICO NA FASE DE TERMINAÇÃO
Rauana Vieira Andrade

Última alteração: 02-10-19

Resumo


A suinocultura passa por constantes oscilações na cadeia produtiva no que diz respeito aos custos de produção versus o preço do suíno, muito atrelado aos preços das matérias primas utilizadas na nutrição desses animais, principalmente o farelo de soja. A utilização desse ingrediente já está bem consolidada quanto ao desempenho e características de carcaça do animal, porém, a utilização de co-produtos da indústria de acordo com a disponibilidade na região, como o farelo de algodão, tem chamado a atenção de produtores e pesquisadores para a sua inclusão na nutrição animal.  Assim, objetivou-se avaliar as características de carcaça de suínos, alimentados com diferentes níveis de farelo de algodão consorciado com complexo enzimático na fase de terminação. Foram utilizados 30 suínos machos castrados de linhagem comercial, com peso inicial ± 55,47 Kg.  Os tratamentos avaliados foram: 0 - ração referência, 0E – ração referência com adição de complexo enzimático, 5E – ração com 5% de inclusão de farelo de algodão com complexo enzimático, 10E – ração com 10% de inclusão de farelo de algodão mais complexo enzimático e 15E – ração com 15% de inclusão de farelo de algodão mais complexo enzimático.  As dietas foram formuladas de acordo com as exigências nutricionais dos animais, no período de 105 aos 154 dias. Ao final do período experimental, os animais foram submetidos a jejum de sólidos por 12 horas e transportados para um frigorífico comercial. Foram coletados o peso vivo ao abate e o peso de carcaça quente. Em seguida, as carcaças foram mantidas em câmara fria (4ºC) por 24 horas para posterior pesagem e determinação do peso da carcaça fria, rendimento de carcaça quente (%), rendimento de carcaça fria (%) e perda de carcaça no resfriamento (%). Os dados foram testados para homogeneidade e análise de variância utilizando o software estatístico SAS. As características de carcaça não foram influenciadas (P>0,05) com inclusão de farelo de algodão, consorciado com o complexo enzimático. A utilização de farelo de algodão pode ser utilizada em até 15% mais complexo enzimático em substituição ao farelo de soja, sem afetar as características de carcaça.


Palavras-chave


co-produto, rendimento de carcaça, peso de carcaça