Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Modificações nos marcadores de risco cardiovascular em estudantes após a entrada na universidade
Letícia Brito Silva, Márcia Gonçalves Ferreira, Lorena Barbosa Fonseca

Última alteração: 28-01-20

Resumo


Os marcadores de risco cardiovascular, como medidas antropométricas e pressão arterial estão associados a diversos fatores comportamentais e sofrem influência das escolhas do indivíduo. O ingresso na universidade pode provocar alterações no cotidiano devido a modificações no estilo de vida, como distanciamento familiar, aumento da responsabilidade e mudança de ambiente físico e social. A inatividade física, hábito alimentar inadequado, consumo de bebida alcoólica e uso de tabaco são as principais alterações observadas na rotina do estudante e influenciam diretamente os marcadores de risco cardiovascular. Portanto, esses marcadores podem permitir a identificação de indivíduos propensos ao desenvolvimento de eventos cardiovasculares e outras comorbidades.  O objetivo do estudo foi avaliar as mudanças nos marcadores de risco cardiovascular em estudantes após a entrada na universidade. Realizou-se um estudo longitudinal, com 4 anos de seguimento, com estudantes universitários de 16 a 25 anos, ingressantes em 21 cursos de período integral de uma universidade pública, nos anos de 2015 a 2017. O projeto de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Universitário Júlio Müller (parecer nº 1.006.048). As variáveis analisadas foram o índice de massa corporal (IMC), circunferência da cintura (CC), pressão arterial sistólica (PAS) e pressão arterial diastólica (PAD). O IMC foi calculado a partir do peso e estatura aferidos e categorizado segundo critérios preconizados por faixa etária. A circunferência da cintura foi medida duas vezes na menor curvatura do abdômen, utilizando-se fita métrica inelástica e a média foi utilizada nas análises.  A medida de pressão arterial foi realizada três vezes, com intervalo de dois a três minutos e considerada a média das últimas duas medidas na análise. Todas as medidas foram aferidas anualmente nos três primeiros meses do ano letivo. As análises foram realizadas no software Stata v. 11 e apresentadas em mediana. Para verificar as diferenças entre as medianas ao longo do seguimento foi utilizado o teste de Friedman e o nível de significância foi fixado em 5% (p<0,05). Participaram do estudo 1.659 estudantes, sendo 51,24% do sexo feminino. Observou-se no decorrer dos 4 anos do estudo aumento de 0,88 kg/m² do IMC, 3,23 cm de circunferência da cintura, 18,16 mmHg na PAS e 1,34 mmhg na PAD, respectivamente (p<0,001 para todas as variáveis). Esse aumento foi observado também na análise estratificada por sexo. A identificação dos marcadores de risco cardiovascular possibilita o planejamento de estratégias direcionadas para prevenção e redução do excesso de peso na vida atual e futura desses jovens.

 

Palavras-chave: Adiposidade, Pressão Arterial, Estudantes.