Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
GRUPO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NA ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA EM UMA CLÍNICA ESCOLA
Jaqueline Correa Rocha, Paola Biasoli Alves, Fernanda Cândido Magalhães

Última alteração: 11-10-19

Resumo


A escolha de uma profissão é uma necessidade do desenvolvimento humano que se inicia com a adolescência, quando a questão da escolha entra em foco  Dessa forma são despertados questionamentos sobre a própria existência a fim de construir uma identidade, sendo por isso, a adolescência considerada um nascimento existencial no qual há a busca por um sentido na vida. Dificuldades na escolha profissional são carregadas de questões existenciais, isto porque, escolher uma profissão é decidir quem irá se tornar a partir de uma aproximação com a própria existência. A literatura afirma que fazer escolhas de carreira autênticas implica em um fator relevante para o desenvolvimento da identidade em qualquer momento da vida, portanto uma escolha satisfatória é aquela que apresenta congruência com a identidade do indivíduo. Pessoas com dificuldade na escolha geralmente apresentam problemas psicológicos como baixa autoestima, depressão e ansiedade, e por isso muitas vezes um processo de Orientação Profissional-OP pode ser eficaz para facilitar a escolha do indivíduo no sentido de participar do desenvolvimento de uma maior autenticidade, resultando em uma diminuição dos problemas psicológicos. A OP tem como objetivo facilitar o processo de escolha de forma que as dificuldades particulares de cada um sejam trabalhadas, auxiliando na compreensão de si mesmo, no conhecimento sobre as profissões e na ampliação da capacidade de escolher. Carl R. Rogers (1902-1987), fundador da Abordagem Centrada na Pessoa-ACP, descreve o ser humano como possuidor de uma tendência ao crescimento e atualização denominada como tendência atualizante, sendo que esse crescimento só é possível por meio da relação com os outros indivíduos e essas relações facilitadoras permitem ao indivíduo crescer e evoluir como ser maduro, capaz de definir seu próprio caminho. Assim, a proposta grupal em OP como espaço de interação é uma importante oportunidade para promover o crescimento mútuo dos participantes em direção a uma maior apropriação de si. Os grupos de OP possibilitam aos indivíduos a sensação de pertencimento, o compartilhamento de experiências, ajuda mútua e produção de empatia, favorecendo que cada membro se torne um facilitador, cabendo ao profissional oferecer de forma genuína as atitudes facilitadoras de congruência, consideração positiva incondicional e a compreensão empática. No presente trabalho busca-se compreender a OP em grupos de jovens clientes de uma clínica- escola de Psicologia por meio da ACP. Serão identificadas questões relacionadas à escolha profissional nas fichas de triagem de clientes que procuraram psicoterapia no Serviço de Psicologia Aplicada-SPA da Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT. Assim, posteriormente pretende-se contatar os interessados e realizar um grupo de OP na perspectiva da ACP com menores de 18 anos sem experiência universitária, e um grupo para maiores de 18 anos com experiência universitária. Dessa forma esse estudo propõe-se a analisar as propostas dos grupos de OP em ACP nas suas potencialidades e limitações, buscando contribuir com o avanço dos conhecimentos acerca da OP na ACP e proporcionando um espaço de vivência grupal com foco na escolha profissional.

Palavras-chave


Orientação Profissional; Abordagem Centrada na Pessoa; Clínica-escola