Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
VIVÊNCIAS (ERLEBNIS): EM NIETZSCHE E WINNICOTT
Lindcélia Cristina dos Santos, Silas Borges Monteiro

Última alteração: 17-10-19

Resumo


Esta pesquisa sob o título provisório Vivências (Erlebnis): em Nietzsche e Winnicott compõe as pesquisas da linha Processos clínicos e contextos socioculturais do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso (PPGPsi/UFMT), no marco teórico do grupo de pesquisa Estudos de Filosofia e Formação, sub-linha Constituição de estilos de individuação, que investiga processos formativos (em clínicas, escolas, defensorias, hospitais, penitenciárias, tribos sociais, universidades) envolvidos na produção de singularidades, bem como para a instituição de novos regimes de subjetividade. Nesse sentido, a pesquisa busca investigar o conceito de Vivências em Nietzsche e o vínculo proposto com a psicanálise de Donald W. Winnicott, a fim de pensar a clínica psicanalítica como território de investigação da filosofia da psicanálise.  Enquanto Winnicott investiu seu trabalho na dinâmica do vínculo mãe-bebê e a importância das vivências iniciais na formação humana, não apenas em questões psicopatológicas, mas também, na força vital do ego as situações adversas. No trabalho nietzscheriano encontramos a vivência - Erlebnis, enquanto estatuto filosófico para expressar um pensamento, considerando três aspectos essenciais: a imediatez, a significabilidade e a dimensão estética. A imediatez, se configura pelo contato sem mediação; tornando-se significativa ao sujeito que a vivencia; e a dimensão é estética, em virtude da qualidade do sentir, não podendo ser racionalizada. De tal modo, que a vivência é algo sentido na pele, provocando sentidos particulares apenas ao vivente. Por vezes, os aspectos vivenciais do vínculo mãe-bebê não comunicável verbalmente, mas vividos fisicamente são elementos fundamentais para tal discussão em decurso.

 



Palavras-chave


ivências; Nietzsche; Winnicott; Formação; Estilos de individuação; Psicologia.