Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
DIGESTIBILIDADE DE ÓLEO DE ALGODÃO PARA LEITÕES NA FASE DE CRECHE
Caroline de Souza, Maicon Sbardella

Última alteração: 02-10-19

Resumo


Na fase imediatamente após o desmame, os leitões apresentam reduzido consumo de ração e, consequentemente, crescimento. Desta forma, o aumento da densidade energética em dietas de leitões recém-desmamados a fim de atender a demanda energética tem sido uma estratégia amplamente utilizada, principalmente, por meio da inclusão de óleos vegetais nas dietas. Entretanto, a capacidade dos leitões digerir os óleos vegetais é influenciada pelo perfil dos ácidos graxos. Adicionalmente, em condições de produção comercial, ocorre intensa ativação do sistema imune dos leitões, aumentando a produção de radicais livres e comprometendo o sistema antioxidante do organismo. O óleo de algodão pode ser uma alternativa para inclusão em dietas de leitões devido a sua composição, pois tem um de perfil de ácidos graxos diferentes de óleo usualmente utilizados e quantidades de vitamina E consideráveis que podem ser benéficos para os leitões. O objetivo deste estudo será determinar os valores de energia digestível e metabolizável do óleo de algodão para leitões na fase de creche, bem como seu efeito sobre o status antioxidante de leitões recém-desmamados. Serão utilizados 10 suínos machos castrados geneticamente similares em 2 quadrados latinos 5x5, alojados individualmente em gaiolas metabólicas. Utilizando o método de coleta total de fezes e urina, com substituição 10% da ração referência (formulada para atender as recomendações nutricionais de leitões) por óleo de algodão em comparação ao óleo de soja. O período experimental incluirá 7 dias para adaptação dos animais seguidos por 5 dias de coleta de fezes e urina. O fornecimento de ração será realizado as 06h:00min e as 16h:00min de acordo ao peso metabólico, enquanto água será fornecida ad libitum. As coletas das amostras de fezes desse período serão armazenadas em sacos plásticos devidamente identificados e posteriormente congeladas. As amostras de urina serão acondicionadas em baldes contendo HCl, sendo coletadas alíquotas de 20% do volume uma vez ao dia e armazenadas em refrigeração. As amostras de ração, fezes e urina, serão homogeneizadas, liofilizadas e analisadas para matéria seca, matéria mineral, extrato etéreo, nitrogênio e energia. O consumo de ração e produção de fezes e urina, serão utilizados para a determinação  dos coeficientes de digestibilidade do extrato etéreo e da matéria orgânica e dos valores de energia metabolizável e energia metabolizável corrigida pelo balanço de nitrogênio dos óleos. Os dados obtidos serão analisados com o programa estatístico SAS. Espera-se com este projeto determinar o valor nutricional do óleo de algodão para uso em dietas para leitões como substituto das fontes de óleos tradicionais utilizadas.

Palavras-chave


digestibilidade; nutrição; óleo de algodão; suínos;