Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Esquemas de percepção das relações sociais pelas classes populares e a ordem social no Haiti de 1986 a 2018. Uma explicação da inexistência de "um Movimento Popular" no campo político haitiano.
Louis-Jacksonne LUCIEN

Última alteração: 03-10-18

Resumo


Este trabalho de pesquisa tem como tema os esquemas de percepções das relações sociais pelas classes populares e a ordem social no Haiti de 1986 a 2018, com vistas a explicar a inexistência de um "movimento popular" no campo político haitiano. O objetivo geral é compreender como os esquemas de percepção das relações sociais pelas classes populares do Haiti interfiriram / interferem na constituição de um movimento popular de transformação da ordem social no Haiti. Como objetivos específicos temos : 1) Descrever o quadro social e a composição e configuração das classes populares do Haiti de 1986-2018. 2) Estudar os esquemas de percepções das relações sociais das classes populares haitianas. 3) Explicitar os movimentos populares e existentes no Haiti de 1986-2018. 4) Interpretar a ordem social haitiana. 5) Relatar os projetos políticos aplicados entre 1986-2018. 6) Apontar os discursos das classes dominantes entre os anos de 1986-2018. Em síntese, trinta anos atrás, sob o ímpeto de vários fatores, e uma forte presença das categorias sociais populares, a sociedade civil haitiana enfrentou a ditadura dos Duvalier, alegando a construção de uma sociedade democrática e menos desigualitária. Este desafio dinâmico levará à queda da ditadura em 1986. Numerosos pesquisadores, por uma declaração de fracasso, afirmam a existência de uma perpetuação das estruturas tradicionais de exclusão, e até falam, por outro lado, da inexistência de um movimento social progressista no Haiti. Esse quadro indica que, apesar da permanência da crise da sociedade e do agravamento de suas condições de vida, as categorias sociais populares não conseguem constituir um "movimento popular" com vistas a uma transformação de relações desiguais. A questão problema a ser respondida é: Como os esquemas de percepções das relações sociais das classes populares do Haiti interferiram / interferem na constituição de um movimento político, entre os anos 1986 e 2018, que transformasse a ordem social naquele país? Assim, formulamos, como parte deste trabalho, as hipóteses de que: As classes populares do Haiti (os pequenos camponeses haitianos, a maioria das categorias urbanas), em sua maior parte, excluídas do mercado formal do trabalho e sem um capital escolar significativo apresentaram esquemas de percepções das relações sociais, herdadas da vida camponesa, reforçadas pela moralidade religiosa - despossuída da possibilidade de conceber a sociedade como um espaço de lutas objetivas, independentemente da vontade dos agentes, com resultados diretos na formulação, principalmente, de julgamentos éticos e não políticos sobre as lutas sociais e políticas, o que acabou por interferir na constituição de um movimento político, entre os anos de 1986 e 2018, que transformasse/ transforme a ordem social do país. As classes dominantes, incapazes de formular um "projeto nacional" para uma integração das classes populares e retirar o país de uma crise multidimensional, a cada movimento de protesto, retomaram/ retomam um discurso unitário com vistas a desacreditar qualquer grupo que questione as divisões objetivas subjacentes às relações sociais, reativando as disposições e os esquemas perceptuais das classes populares, levando-as a aderir e a legitimar ao discurso de sociedade como indivisível por interesses antagônicos com interferência na constituição de um movimento político, entre os anos de 1986 e 2018, que transformasse a ordem social do país. A fim de verificar essas hipóteses, desenvolveremos um roteiro de entrevista semiestruturado para entrevistar diferentes sujeitos das classes populares para coletar suas percepções de relações sociais, lutas políticas e sociais. Por outro lado, analisaremos amostra de discursos de diferentes líderes políticos, a fim de explicar também suas representações acerca das relações sociais e como tais representações tendem a ocultar o caráter antagônico das lutas sociais.

Palavras-chave


Campo político haitiano – movimento popular – classes populares – esquema de percepção

Referências


BUTEAU, Pierre. 2016. « Le chemin fait. Quel ordre social après le 7 février ? ». Trois/Cent/Soixante. No. 1. pp. 15-19.

CASTOR, Suzy et al. 2012. « Table ronde : le bilan de la transition ». RENCONTRE. Revue Haïtienne de Société et de Culture. Numéro 26-27. Septembre. pp. 5-24.

DORVILIER, Fritz. 2012. La crise haïtienne du développement. Essai d’anthropologie dynamique. Portau-Prince : Éditions de l’Université d’État d’Haïti.

DORVILIER, Fritz. 2014. « Le mouvement social haïtien post-86 : logiques et limites sociopolitiques ». In PAUL-AUSTIN Lucie Carmel. (dir). 7 février 1986. Enjeux, problèmes, enseignements. Pétion-Ville : C3 Éditions. pp. 208-230.

FLECHER, José. 2016. « Haïti, une économie de concentration et de centralisation ». Le Nouvelliste. Lundi 8 et mardi 9 août. pp. 18-20.

HECTOR, Michel. 2006. Crises et mouvements populaires en Haïti. Port-au-Prince : Presses Nationales d’Haïti. 2ème édition.

HONORAT, Jean-Jacques. 1991. « Droits de l’homme et transition démocratique ». In HECTOR Cary et JADOTTE Hérard (dir). 1991. Haïti et l’après-Duvalier : Continuités et ruptures. Montréal : CIDHICA. Port-au-Prince. Éditions Henri Deschamps. pp. 29-47.

JEAN-BAPTISTE, Chenet. 2011. Haïti. Mouvements populaires et partis politiques (1986-1996). La restructuration manquée de l’ordre politique agonisant. Thèse de doctorat en Science politique. Ecole doctorale 122. Institut des Hautes Etudes de l’Amérique Latine – IHEAL. Université Sorbonne Nouvelle. Paris 3.

LOUIS, Ilionor. 2009. La capacité d’action collective des populations marginalisées dans le cadre des stratégies de lutte pour la reconnaissance. Le cas de Cité de l’Éternel à Port-au-Prince (Haïti) et de la Sierra Santa Catarina à Iztapalapa (Mexico). Thèse de Doctorat en sociologie. Faculté des arts et sciences. Université de Montréal.

MANIGAT, Sabine. 2011. « Haïti : un mouvement social entre dérives et confiscation ». Alternatives Sud. Vol. 18. pp. 179-184.

MIDY, Franklin. 1991a. « "Il faut que ça change !" L’imaginaire en liberté ». In HECTOR Cary et JADOTTE Hérard (dir). 1991. Haïti et l’après-Duvalier : Continuités et ruptures. Montréal : CIDHICA. Port-au-Prince. Éditions Henri Deschamps. pp. 75-98.

MIDY, Franklin. 1991b. « Le mouvement social haïtien pour le changement : les ONG haïtiennes et l’aide canadienne ». Nouvelles pratiques sociales. Vol. 4. No. 1 : 65-80.

PAULCÉNA, Francisco. 2007. Le "Mouvement populaire haïtien" des années 1980-1990 : pratiques et perspectives analytiques. Mémoire de Maîtrise en Sociologie. Université du Québec à Montréal.

SAINT-ARMAND, Géraldo. 2017. « L’incapacité du comportement électoral post-86 des masses populaires haïtiennes à garantir une société émancipatrice ». Le National. 11 juillet.

TROUILLOT, Michel-Rolph. 1986. Les racines historiques de l’État duvaliérien. Port-au-Prince : Éditions Henri Deschamps.