Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
TABAGISMO COMO FATOR DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2
CYNDIELLE BARCELOS DA ROCHA, CLÓVIS BOTELHO

Última alteração: 07-10-18

Resumo


Introdução: o Diabetes Mellitus (DM) é uma doença de grande relevância para a saúde pública. As projeções apontam para um número de 629 milhões de diabéticos no ano de 2045 em todo mundo. As complicações associadas à doença comprometem a produtividade, a qualidade de vida e a sobrevida dos indivíduos. Apesar de fatores não modificáveis como genética, idade, etnia e ambiente estarem presentes na fisiopatologia da doença, existem fatores modificáveis como o ganho de peso e obesidade, sedentarismo, alimentação não saudável e tabagismo que contribuem diretamente para o seu desenvolvimento. O tabagismo é o principal fator de risco para doenças crônicas não transmissíveis, como as cardiovasculares, o câncer e as respiratórias crônicas e, junto com o diabetes, responde por cerca de 36 milhões de morte anualmente em todo o mundo. Múltiplos estudos epidemiológicos têm mostrado associação entre tabagismo e DM tipo 2, revelando que o tabagismo é um fator de risco independente para o desenvolvimento desta patologia. No entanto, há pesquisas controversas a tal resultado. Apesar das divergências, existem evidências que a associação entre tabagismo e DM tipo 2 é biologicamente plausível. Fumar leva à resistência à insulina ou inadequada secreção de insulina compensatória através de vários mecanismos, incluindo estresse oxidativo, inflamação e disfunção endotelial. A nicotina presente nos cigarros também pode exercer um efeito tóxico direto sobre a função das células β pancreáticas. Além disso, embora o tabagismo possa diminuir o peso, leva à adiposidade central, que tem sido ligado à inflamação e à resistência à insulina. No Brasil, estudos que investigam essa associação são raros, tornando premente estudos nessa perspectiva. Objetivo: avaliar a associação entre tabagismo e o diabetes tipo 2. Metodologia: será realizado um estudo transversal com dados obtidos da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) de 2013. Do questionário padronizado pela PNS serão compilados os dados sociodemográficos, estilo de vida, presença de doenças crônicas, acesso aos serviços de saúde, peso, altura e a medida da circunferência abdominal, que serão consideradas como variáveis dependentes do estudo.

Palavras-chave: Diabetes Mellitus; Tabagismo.


Referências


Araújo AJ, organizador. Manual de Condutas e Práticas em Tabagismo / Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. São Paulo: AC Farmacêutica; 2012. p. 3-61.

Willi C, Bodenmann P, Ghali WA, Faris PD, Cornuz J. Active Smoking and the Risk of Type 2 Diabetes. Jama [internet]. 2007 dez [acesso em 10 maio 2018];298(22):2654. Disponível em: http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?doi=10.1001/jama.298.22.2654

World Health Organization (WHO). Global Report on Diabetes. World Health Organization [internet]. 2016  [acesso em 18 junho 2018];978:88. Disponivel em: http://www.who.int/ about/licensing/%5Cnhttp://apps.who.int/iris/bitstream/10665/204871/1/9789241565257_eng.pdf

World Health Organization (WHO). WHO Report on the Global Tobacco Epidemic, 2017. World Health Organization [internet]. 2017 [acesso em 18 junho 2018]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/255874/1/9789241512824-eng.pdf?ua=1&ua=1

Zhou B, Lu Y, Hajifathalian K, Bentham J, Di Cesare M, Danaei G, et al. Worldwide trends in diabetes since 1980: A pooled analysis of 751 population-based studies with 4.4 million participants. Lancet [internet]. 2016 abr  [acesso em 15 maio 2018];387(10027):1513–30. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(16)00618-8