Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Abordagem ecossistêmica no controle vetorial em Municípios de Mato Grosso
Lucineia Claudia de Toni Aquino da Cruz, Alexander Gonçalves Ferreria Guimarães, Raquel Silva Ferreira, Emerson Marques Souza, Renata Dezengrini Slhessarenko, Marina Atanaka

Última alteração: 07-10-18

Resumo


A abordagem ecossistêmica no controle vetorial aborda diferentes aspectos sobre a transmissão de doenças como as arboviroses, que são endêmicas em Mato Grosso. Para discutir essa temática, foram coletados mosquitos nas áreas urbanas de Cuiabá, Cáceres, Rondonópolis e Sinop em parceria com os agentes de controle de endemias entre fevereiro de 2017 e janeiro de 2018. Nesse período 19.110 mosquitos foram coletados, 16.578 (83%) da espécie Culex quinquifasciatus (44% Fêmeas e 56% machos), 2.483 (13%) da espécie Aedes aegypti (Fêmeas 54% 46%) e 49 (0,25%) exemplares fêmeas dos gêneros Psorophora, Anopheles, Coquelitidae e Sabethes. O maior número de mosquitos capturados foi no município de Cáceres (32%), seguido de Cuiabá (29%), Rondonópolis (23%) e Sinop com (23%). Os períodos de maior captura foram nos meses de abril e dezembro com uma taxa acumulada de 40% correspondendo aos meses de alta pluviosidade e umidade. Os mosquitos foram alocados em 2.040 pools de acordo com local de coleta, espécie, sexo e mês. Os 258 pools de fêmeas formados estão sendo submetidos a extração de RNA e RT-PCR multiplex semi-nested para flavivírus, alphavírus e orthobuniavírus. Dos pools analisados até o momento, 4 foram positivos para o vírus Oropouche; 29 para Dengue sorotipos 1, 2 e 4; ILHV foi detectado em 1 pool e ZIKV em 21 pools. O vírus CHIKV foi detectado em 31 pools e o MAYV em 4 pools. As correlações entre mosquitos e variáveis climáticas, foram altamente significativas (P=0.0028) em relação ao total de mosquitos. Variáveis como a temperatura do ponto de orvalho e velocidade do vento também se apresentaram muito significativas para o Aedes aegypti, com (P=0.0078) e (P=0.0042) respectivamente. As análises com variáveis socioeconômicas e a presença de vetores, tiveram uma correlação estatisticamente significativa no que se refere ao abastecimento de água nos municípios de Rondonópolis e Cuiabá, em relação a presença de Aedes aegypti. Outras características biológicas e ambientais de cada área de estudo serão agregadas aos resultados desse trabalho, sinalizando fatores determinantes para a ocorrências das arboviroses em Mato Grosso.

 

 


Palavras-chave


Mosquitos, arbovírus, abordagem ecossistêmica

Referências


1. Teixeira GM, Barreto LB, Guerra Z. Epidemiologia e Medidas de Prevenção do dengue. Informe Epidemiológico do SUS, 1999; 8:5-33.

2. Boletim Epidemiológico. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde, 2018; 3(49)32: 1-14.

3.Serra OP. Cardoso BF, Ribeiro ALM, Santos FAL, Dezengrini-Slhessarenko R. Mayaro virus and dengue virus 1 and 4 natural infection in culicids from Cuiabá, state of Mato Grosso, Brazil.. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 2016; 111(1):20-29.

4.Cardoso BF, Serra OPereira, Heinen, LBS, Zuchi, NS, Dezengrini-Slhessarenko R et al. Detection of Oropouche virus segment S in patients and inCulex quinquefasciatus in the state of Mato Grosso, Brazil. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, 2015; 110(6), 745-754.

 

5. Reiter P e Nathan MB. Guidelines for assessing the efficacy of insecticide space sprays for the control of the  Dengue vector Aedes aegyptiWHO/CDS/CPE/PVC, 2001: 1- 34.

 

6. Fayne O et al. Onestep RTPCR for detection of Zika virus. Journal of Clinical Virology. 2008; 43:96101.

 

7. Edward CJ et al. Molecular diagnosis and analysis of Chikungunya virus. Journal of Clinical Virology, 2007; 39(4):271275.