Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Mortalidade por câncer de mama: Mato Grosso, 2000 a 2016
JÂNIA CRISTIANE DE SOUZA OLIVEIRA, NOEMI DREYER GALVAO, AGEO MARIO CANDIDO DA SILVA

Última alteração: 08-10-18

Resumo


Introdução: Dentre as doenças crônicas não transmissíveis, as neoplasias malignas representam a segunda causa de morte em países desenvolvidos e em muitos países em desenvolvimento como, por exemplo, o Brasil. Estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS), para o ano de 2030, poderão acontecer 27 milhões de casos novos, 17 milhões de mortes e 75 milhões de pessoas vivendo com câncer. Diante disso, o câncer de mama (CM) possui relevância singular por apresentar a maior incidência por câncer em mulheres, excluídos os casos de pele não melanoma. Em 2012, representou 25% do total de casos de câncer no mundo, com cerca de 1,7 milhão de casos novos naquele ano. Ocupa a quinta colocação nas causas de morte por câncer em geral (522.000 óbitos) e a primeira causa de morte por câncer em mulheres. Para ano de 2018, as estimativas de incidência de CM no Brasil, na população feminina é de 51,29/100.000 mulheres e em MT é de 48,98/100.000 mulheres, perde apenas para o de pele não melanoma.

Objetivo: Analisar a evolução da mortalidade por câncer de mama no estado de Mato Grosso, no período de 2000 a 2016.

Métodos: Estudo descritivo, de série histórica de dados de óbitos a partir do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) do DATASUS, de residentes do estado de Mato Grosso (MT), no período de 2000 a 2016. Os dados populacionais foram levantados a partir do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As variáveis analisadas foram: sexo, faixa etária e causa básica do óbito por câncer de mama (C-50) da CID-10.

Resultados: No período de 2000 a 2016, morreram 1.554 pessoas em decorrência do câncer de mama em MT. Destes, 30 (1,93%) eram do sexo masculino e 1.524 (98,07%) do sexo feminino. Quanto à faixa etária, 534 (34,43%) tinham idade igual ou inferior a 49 anos e 1.019 (65,57%) 50 anos ou mais. O coeficiente de mortalidade por câncer de mama para o período apresentou tendência crescente estatisticamente significativa (R2=0,90 e p<0,0001), variou de 2,50/100 mil habitantes em 2000 para 5,63/100 mil habitantes em 2016, aumento de 125,2%. O ano com o menor coeficiente registrado foi em 2003, com 1,95/100.000 habitantes. Em países desenvolvidos, apesar do maior número de casos incidentes, a mortalidade por câncer de mama possui tendência decrescente e é menor que em países em desenvolvimento, o que pode ser reflexo de um maior investimento no campo da saúde, avanço dos programas de rastreamento, diagnóstico precoce da doença, além de melhorias no tratamento.Conclusão: O câncer de mama possui uma mortalidade maior entre mulheres e na faixa etária 50 anos e mais, o que coincide com os achados da literatura para este tipo de câncer. A tendência do coeficiente de mortalidade por câncer de mama no estado de MT apresentou-se crescente, fato que torna imprescindível que gestores, profissionais de saúde e academia revejam o modo como trabalham esta patologia.


Palavras-chave


Neoplasias da mama; Saúde da Mulher; Mortalidade.

Referências


IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, 2014. Estimativas populacionais para os municípios brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE. https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2014/default.shtm.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (BR). Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca, 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2018. DATASUS – Transferência de dados - SIM/SUS. www.datasus.gov.br. Acessado em 17 de setembro de 2018.

World Health Organization (WHO). Globocan 2012 v1.0, Cancer Incidence and Mortality Worldwide: IARC Cancer Base No. 11. Lyon, France: International Agency for Research on Cancer; 2013.

World Health Organization (WHO). International Agency for Research on Cancer (IARC). World Cancer Report. Lyon: IARC; 2008.