Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Racismo e agência na experiência de agentes políticos e de pessoas com Anemia Falciforme em Mato Grosso
Késia Marisla Rodrigues da Paz, Reni Aparecida Barsaglini, Marta Gislene Pignatti

Última alteração: 06-10-18

Resumo


A anemia falciforme é a doença hereditária mais comum no Brasil, com maior prevalência na população negra. Essa doença crônica, é negligenciada no país, tendo sido associada ao corpo negro desde a sua descoberta. Os reflexos da doença no contexto biológico, social e econômico das pessoas negras adoecidas refletem na experiência dessas pessoas e nas formas de agenciamento individual e coletivo, as quais envolvem a politização dos sujeitos. Este projeto propõe a realização de um estudo socioantropológico na área da saúde, sob a perspectiva das Novas Sociologias integrando conceitos centrais da Antropologia da Saúde, especialmente aqueles oriundos da fenomenologia, não se limitando às interações face a face, por considerar a amplitude da experiência social. O objetivo é analisar o Racismo e agência na experiência de agentes políticos e de pessoas com Anemia Falciforme em Mato Grosso. Para isso, buscaremos compreender como se configuram as ações e seus os significados para as lideranças das organizações sócio-políticas comprometidas com os direitos da população negra em MT, com destaque à saúde e à atenção nos casos de AF; e entender os significados das organizações sócio-políticas e suas ações, expressos por adoecidos que convivem com a AF em Mato Grosso. Este projeto será submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa acatando todos os preceitos éticos preconizados pela Resolução 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde. Participarão da pesquisa militantes do Movimento Negro e das associações de adoecidos de Mato Grosso, pessoas com anemia falciforme que participam e que não participam dos movimentos/organizações sociais. A seleção será intencional, com base nos critérios de inclusão e exclusão pré-elaborados. Para a composição dos dados serão utilizados a entrevista compreensiva gravada em áudio, a observação e o diário de campo a partir de instrumentos norteadores. Esses dados serão transcritos manualmente no processador de texto Microsoft Word e submetidos à análise temática, de forma artesanal. Pretendemos dar visibilidade às questões de saúde de pessoas negras com anemia falciforme no estado de Mato Grosso, com ênfase na experiência politizada, nas ações sociais e políticas dos movimentos negros e associações de falcêmicos, possibilitando o fortalecimento da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra no estado.

Palavras-chave


Experiência; População Negra; Anemia Falciforme; Agência.

Referências


Batalha E, Morosini L. Negligência Congresso de Medicina Tropical evidencia doenças relacionadas à pobreza. Radis. 2013;124:09-16.

Brasil (BR).  Portaria nº 992, de 13 de maio de 2009. Institui a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. Brasília, DF; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual de normas técnicas e rotinas operacionais do programa nacional de triagem Neonatal. 2ª Ed. Brasília- DF, 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: uma política para o SUS. 2. ed. Brasília (DF): 2013.

Hall S. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. Oque é identidade  PÁGINA 38, 46, 63, 87.

Jones CP. Confronting institutionalized racism. Phylon, Atlanta. 2002;50(1):7-22.

López LC. O conceito de racismo institucional: aplicações no campo da saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2012;16(40):121-134.

Werneck J. Racismo institucional e saúde da população negra. Saúde Soc. São Paulo. 2016;25(3): 535-549.