Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Prevalência do consumo abusivo de álcool no Brasil e seus fatores associados.
Pedro; Neuber Mathias; Segri

Última alteração: 07-10-18

Resumo


Álcool é uma das drogas psicoativas mais consumidas e, também, a mais aceita socialmente. Em 2010, pelo menos 38,3% da população mundial com mais de 15 anos consumiu alguma forma de álcool. No mesmo período no Brasil, 18,1% da população com mais de 18 anos praticaram o consumo abusivo. No triênio 2007-2009, a taxa de mortalidade em que o álcool foi causa necessária no Brasil aproximou-se de 12,2/100.000 habitantes. Em 2016 foi estimado um gasto de R$ 32.341.276,91 com tratamentos relacionados ao consumo de álcool no Brasil. Entre os fatores de estilo de vida é apontada associação do consumo abusivo de álcool com tabagismo e obesidade. Observando o impacto do álcool na saúde esta pesquisa propõe estimar a prevalência do consumo de álcool e consumo abusivo de álcool no Brasil, no ano de 2016 e investigar os fatores associados. Para tal recorreu-se ao banco de dados da vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico (VIGITEL). Este inquérito telefônico é realizado em cada uma das 26 capitais do Brasil e Distrito Federal e avaliam anualmente aproximadamente 54 mil pessoas utilizando amostra probabilística. Para a análise dos dados utiliza-se o software Stata 11.0, que realiza os testes de hipótese considerando os efeitos da amostragem complexa. Assumiu-se o intervalo de confiança (IC) de 95% e α de 5%. Em análise preliminar do consumo abusivo de álcool no Brasil foram encontrados 53.209 respondentes. Desta variável, a prevalência foi de 19,09% (IC 18,36 – 19,84) sendo que entre os homens a prevalência foi de 27,31% (IC 26,05 – 28,61). Já entre as mulheres a prevalência foi de 12,08%, (IC 11,3 – 12,9). Por meio da Regressão de Poisson obteve-se uma Razão de Prevalência Bruta de 2,26 com p-valor < 0,001 indicando que a prevalência do consumo abusivo de álcool entre os homens é 126% maior do que entre as mulheres. Considerando o consumo abusivo segundo faixas etárias, encontra-se que a prevalência do consumo abusivo diminui com o aumento da idade, a partir dos 34 anos. Porém, a prevalência do consumo abusivo de álcool aumenta com a escolaridade tanto entre homens, que possuem uma prevalência de 21,78% na categoria de 0 a 8 anos de estudos e um aumento de 25% e 53% nas faixas de 9 a 11 anos e 12 ou mais, respectivamente (p-valor < 0,001). Entre as mulheres, a prevalência foi de 7,62% para 0 a 8 anos de estudo e aumentos de 56% e 118% respectivamente (p-valor < 0,001). Segundo regiões do Brasil, o Centro-Oeste lidera o consumo abusivo com uma prevalência de 21,98% (IC 20,30 – 23,76) sendo que na região norte este consumo é 23% menor, na sudeste é 15% menor e na sul, 26%.


Palavras-chave


Consumo abusivo de álcool; VIGITEL

Referências


Brasil M da S. Vigilância De Fatores De Risco E Proteção Para Doenças Crônicas Por Inquérito Telefônico. Secr. Vigilância em Saúde. Vigitel Bras. 2016. 2016;http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017.

Coutinho ESF, Bahia L, Barufaldi LA, Abreu G de A, Malhão TA, Pepe CR, et al. Cost of diseases related to alcohol consumption in the Brazilian Unified Health System. Rev. Saude Publica [Internet]. 2016;50(0):1–8. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102016000100218&lng=en&tlng=en

Garcia LP, Freitas LRS de. Consumo abusivo de álcool no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol. e Serviços Saúde [Internet]. 2015;24(2):227–37. Recuperado de: http://www.iec.pa.gov.br/template_doi_ess.php?doi=10.5123/S1679-49742015000200005&scielo=S2237-96222015000200227

Gawryszewski VP, Monteiro MG. Mortality from diseases, conditions and injuries where alcohol is a necessary cause in the Americas, 2007-09. Addiction. 2014;109(4):570–7.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde 2013. Acesso e utilização dos serviços de saúde, acidentes e violências : Brasil, grandes regiões e unidades da federação / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento [Internet]. Pesqui. Orçamentos Fam. 2008-2209. 2015. Recuperado de: http://arxiv.org/abs/1011.1669%0Ahttp://dx.doi.org/10.1088/1751-8113/44/8/085201%0Ahttp://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25246403%0Ahttp://www.pubmedcentral.nih.gov/articlerender.fcgi?artid=PMC4249520

Machado IE, Lana FCF, Felisbino-Mendes MS, Malta DC. Factors associated with alcohol intake and alcohol abuse among women in Belo Horizonte, Minas Gerais State, Brazil. Cad. Saude Publica [Internet]. 2013;29(7):1449–59. Recuperado de: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23843011

Machado ÍE, Monteiro MG, Malta DC, Lana FCF. Pesquisa Nacional de Saúde 2013: relação entre uso de álcool e características sociodemográficas segundo o sexo no Brasil. Rev. Bras. Epidemiol. [Internet]. 2017;20(3):408–22. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2017000300408&lng=pt&tlng=pt

Macinko J, Mullachery P, Silver D, Jimenez G, Neto OLM. Patterns of alcohol consumption and related behaviors in Brazil: Evidence from the 2013 National Health Survey (PNS 2013). PLoS One [Internet]. 2015;10(7):1–12. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0134153

Malta DC, Bernal RTI, Mascarenhas MDM, Silva MMA da, Szwarcwald CL, Morais Neto OL de. Consumo de bebidas alcoólicas e direção de veículos nas capitais brasileiras e no Distrito Federal, segundo dois inquéritos nacionais de saúde. Rev. Bras. Epidemiol. [Internet]. 2015;18(suppl 2):214–23. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000600214&lng=pt&tlng=pt

World Health Organization (WHO). Draft action plan for the prevention and control of noncommunicable diseases 2013-2020 [Internet]. 2013b. Recuperado de: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/94384/1/9789241506236_eng.pdf%5Cnhttp://apps.who.int/gb/ebwha/pdf_files/EB132/B132_7-en.pdf

World Health Organization (WHO). Global status report on alcohol and health 2014. Glob. status Rep. alcohol [Internet]. 2014;1–392. Recuperado de: http://www.who.int/substance_abuse/publications/global_alcohol_report/msbgsruprofiles.pdf

World Health Organization (WHO). Global strategy to reduce the harmful use of alcohol. 2010;

World Health Organization (WHO). Neuroscience of Psychoactive Substance Use and Dependence. Addiction [Internet]. 2004;99(10):1361–2. Recuperado de: http://doi.wiley.com/10.1111/j.1360-0443.2004.00906.x

World Health Organization (WHO). Personal Habits and Indoor Combustions. IARC Monogr Eval Carcinog Risks Hum [Internet]. 2012;100E:1–575. Recuperado de: http://monographs.iarc.fr/ENG/Monographs/vol100E/index.php

World Health Organization (WHO). The ICD-10 Classification of Mental and Behavioural Disorders. IACAPAP E-textb. child Adolesc. Ment. Heal. 2013a;55(1993):135–9.

World Health Organization (WHO). WHO Expert Committee On Problems Related To Alcohol Consumption. 2007.