Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Incidência de Zika Vírus e cobertura de visitas domiciliares nas Regiões de Saúde de Mato Grosso, 2016.
Jenniffer Francielli De Sousa Alves, Rita Adriana Gomes de Souza

Última alteração: 08-10-18

Resumo


O Zika Vírus (ZIKV) é transmitido, principalmente, por mosquitos do gênero Aedes. Sua incidência pode estar relacionada a fatores resultantes da atividade do homem no meio ambiente, como desmatamento, crescente urbanização, precariedade de instalações sanitárias, e ainda, relacionado a um fator natural, como as rápidas mudanças climáticas. Em 2015, o Brasil registrou os primeiros casos humanos autóctones de ZIKV, confirmando a recente entrada desse arbovírus no país. No ano de 2016, Mato Grosso registrou incidência de 704 casos por 100.000 habitantes, estando em situação de risco alarmante. Tendo em vista este cenário epidemiológico, em 2016 foi criado, pelo Ministério da Saúde (MS), o Programa Nacional de Enfrentamento a Microcefalia (PNEM), que estabelece um novo esquema de ciclos de trabalho para a realização de visitas domiciliares, com o objetivo de maior controle do vetor. O MS implementou, então, 7 ciclos realizados ao longo do ano. Para o cumprimento destas ações, foram mobilizados agentes comunitários de saúde, agentes de endemias, bombeiros, policiais militares e voluntários. O objetivo deste trabalho será descrever a incidência de ZIKV e a cobertura de visitas domiciliares nas Regiões de Saúde de Mato Grosso, em 2016. Trata-se de um estudo descritivo, que utilizou os dados de casos notificados de ZIKV e proporção de cobertura de visitas domiciliares disponibilizados pela Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso (SES-MT), referente ao ano de 2016. Foram utilizadas as estimativas populacionais de 2016, disponíveis no website do Instituto de Geografia e Estatística (IBGE). O cálculo de incidência foi obtido pela razão entre o número de casos notificados e a população estimada no ano de 2016, padronizado por 100.000 habitantes.  A proporção de cobertura de visitas domiciliares foi obtida pela razão entre o número de imóveis visitados e o número total de imóveis existentes, multiplicado por 100. Foram considerados dados referentes às visitas domiciliares apresentadas no sistema de informação PNEM. Os dados foram tabulados e analisados através do SPSS, versão 22.0.0.0. As Regiões de Saúde que registraram as maiores incidências de infecção pelo ZIKV foram Garças Araguaia (1642), Médio Araguaia (1286,9), Teles Pires (1273,3) e Sudoeste Matogrossense (1249,4). Dentre essas Regiões, apenas a Teles Pires obteve cobertura de visitas domiciliares acima de 100%. A Região com menor incidência foi a Norte Araguaia Karajá (84,9) e foi ainda a região que obteve maior cobertura de visitas domiciliares (273,15%). Observa-se que a maioria das Regiões de Saúde do estado de Mato Grosso registrou, no ano de 2016, incidência maior que a média do país, o que chama a atenção das autoridades de saúde devido ao perfil ainda pouco conhecido da doença e sobre as consequências que esta pode causar em sua forma mais grave. A realização de estudos mais aprofundados é de suma importância para apontar se há correlação entre casos de ZIKV e a proporção de cobertura de visitas domiciliares, podendo servir como subsídio para a Vigilância em Saúde no que concerne ao planejamento de ações que objetivam a prevenção e controle do vetor.


Palavras-chave


Zika Vírus, Vigilância em Saúde Pública, Cobertura de Serviços de Saúde

Referências


Diallo D, Sall AA, Diagne CT, Faye O, Ba Y, Hanley KA, et al. Zika virus emergence in mosquitoes in southeastern Senegal, 2011. Plos One. 2014;9(10):e109442.

Donalísio MR, Freitas ARR, Zuben APBV. Arboviroses emergentes no Brasil: desafios para a clínica e implicações para a saúde pública. Rev Saúde Pública. 2017;51(30):1-6.

Lopes N, Carlos N, Linhares REC. Características gerais e epidemiologia dos arbovírus emergentes no Brasil.  Rev Pan-Amaz Saude. 2014;5(3):55-64.

Ministério da Saúde (BR), Sala Nacional de Coordenação e Controle para o Enfrentamento da Dengue, do vírus Chikungunya e do Zika vírus. Informe nº 17 - 13 de setembro de 2016 monitoramento das atividades do 5º ciclo de visitas a imóveis no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2016b [acesso em 10 abr 2018]. Disponível em:  http://combateaedes.saude.gov.br/images/sala-de-situacao/informe-sncc-n-17.pdf

Rodrigues FSM, Bouças RI, Errante PR. Aspectos clínicos, epidemiológicos e correlação de microcefalia congênita pela infecção pelo vírus zika no Brasil.  Science in Health. 2016;7(1):38-49.

Secretaria Estadual de Saúde (MT). Boletim epidemiológico. 2017; 12(1): 1-10. [acesso em 25 ago 2017]. Disponível em: http://www.saude.mt.gov.br/upload/noticia/1/arquivo/170417143200-SES-MT-A-boletim-12-04.pdf.