Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
A INTEGRALIDADE NAS PRÁTICAS DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA.
Valeria Carvalho Araujo Siqueira, Ruth Terezinha Kehrig

Última alteração: 08-10-18

Resumo


A Atenção Primária à saúde (APS) possui como atributos essenciais o acesso, a longitudinalidade, a integralidade e a coordenação do cuidado. É o primeiro nível de atenção à saúde, devendo ser o primeiro contato dos usuários. Com trinta anos de criação do Sistema Único de Saúde (SUS), torna-se primordial investigar como se tem consolidado os seus princípios norteadores, e a APS é um loco privilegiado de efetivação destes, incluindo a integralidade que é vista como norteadora de práticas mais humanizadas. Este estudo teve como objetivo identificar na literatura as concepções acerca das práticas de integralidade na APS no SUS. Trata-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa. A busca foi realizada em cinco bases eletrônicas de dados: Medline, Scopus, Web of Science, Lilacs e Scielo de artigos publicados na literatura nacional e internacional, nos idiomas português, inglês ou espanhol, durante o período de 1988 a 2017.  Foram localizados 2251 estudos, após a leitura dos títulos e resumos obteve-se 860 e com a exclusão dos duplicados restaram 609. Destes 552 tinham disponíveis na íntegra no qual foram feitas leituras flutuantes restando inicialmente 377 e após 176 que referiam a integralidade na APS. Após a leitura aprofundada foram excluídos mais 37. Assim, permaneceram 139 que foram analisados por meio da extração de conteúdo e categorias temáticas. Os resultados demostram que as produções científicas trazem em sua maioria estudos de abordagem qualitativa, mas que estudos quantitativos têm sido realizados com intuito de avaliar a qualidade da APS, em especial dos seus atributos. Boa parte das pesquisas tem como sujeitos de estudo os profissionais/trabalhadores da equipe de saúde e/ou usuários, em alguns casos gestores municipais e locais também se incluem. A técnica de coleta de dado mais utilizada foi a entrevista semiestruturada seja individual ou por meio de grupo focal, ainda a observação das práticas e a análise documental, considerando essas técnicas por meio de triangulação dos dados. Em relação as categorias temáticas foram identificadas que a maioria das publicações analisadas avaliam a qualidade da APS e as práticas realizadas neste contexto e relacionam a integralidade como uma qualidade que deve ser avaliada. Foi possível identificar vários aspectos que retratam as práticas na APS no alcance da integralidade. Destacam como avanços: a implantação da estratégia saúde da família; conhecimento do território e necessidades sociais de saúde dos usuários/famílias; o vínculo entre estes e os profissionais e possibilidade de ações de promoção à saúde e prevenção à agravos. Em relação aos desafios destacam-se: a dificuldade no acesso às consultas e aos serviços especializados, a desarticulação com a rede de atenção à saúde; a falta de acolhimento ao usuário; a sobrecarga de trabalho; o modelo biomédico hegemônico; as poucas ações de intersetorialidade; e, a dificuldade em atender a demanda espontânea e reconhecer suas necessidades. Observamos que alguns aspectos levantados referem-se a outros atributos da APS, porém que são primordiais para se alcançar a integralidade enquanto princípio do SUS. Consideramos que é necessário fortalecer ações de integralidade e ainda refletir para enfrentar os desafios que ainda persistem.

 


Palavras-chave


integralidade à saúde; assistência integral à saúde; atenção primária à saúde