Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE CASOS DE DENGUE NOS 141 MUNICÍPIOS DO ESTADO DE MATO GROSSO, 2014 A 2017.
Alexander Gonçalves Ferreira Guimarães, Lucinéia Claudia De Toni Aquino da Cruz, Gustavo Benedito Medeiros Alves, Mariano Martinez Espinosa, Marina Atanaka

Última alteração: 08-10-18

Resumo


A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 2,5 bilhões de pessoas, 2/5 da população mundial estão sob-risco de contrair dengue e que ocorram anualmente cerca de 50 milhões de casos. Desse total, cerca de 550 mil necessitam de hospitalização e pelo menos 20 mil morrem em consequência da doença. Os picos epidêmicos têm sido cada vez maiores, em períodos que se repetem a cada 3-5 anos, quase de maneira regular. No Brasil nos últimos cinco anos registrou-se mais de 4,2 milhões de casos suspeitos da doença e a ocorrência de 2.342 óbitos confirmados. Até a Semana Epidemiológica (SE) n. 34 de 2018 a região Centro-Oeste apresentou o maior número de casos prováveis (72.000 casos; 36,2%) em relação ao total do país. O objetivo desta pesquisa é analisar a distribuição espacial de casos de dengue nos 141 municípios do estado de Mato Grosso que estão divididos em 16 regionais de saúde, no período de 2014 a 2017, de modo a identificar as regiões com maiores riscos para a ocorrência da doença. Os dados de notificações de casos de dengue foram obtidos pelo SINAN. Os resultados da análise de ocorrência dos casos foram produzidos a partir de técnicas de geoprocessamento e os mapas temáticos com base nas taxas brutas e suavizadas de incidência (baixa, média, alta e epidêmica) da doença. Os mapas indicaram que os municípios com maior número de notificações são Sinop (2014 e 2015) e de Cuiabá (2016 e 2017). No período de estudo no ano de 2015 foi registrado o maior número de casos notificados de dengue no estado (32.756 casos) e o município com a maior taxa de incidência do período foi o município de Santa Carmem (Regional de Saúde de Sinop) com a incidência de 6.513,76 casos por 100 mil hab. No ano de 2016 registrou-se o maior número de municípios em surto epidêmico com taxa de incidência superior a 1.000 casos por 100 mil hab. (54 municípios; 38,29%) em relação ao total de municípios do estado. No período de 2009 a 2017 foram confirmados 123 óbitos no estado de MT que estão distribuídos em 14 das 16 regionais de saúde do estado (35 municípios; 24,82%). As quatro regionais de saúde com o maior número de óbitos em ordem decrescente são: Cuiabá, Sinop, Rondonópolis e Cáceres com 53, 21, 14 e 09 óbitos, respectivamente. A distribuição espacial de casos de dengue no estado de MT permitiu identificar as regiões com maiores riscos para a ocorrência da doença, sendo, fundamental para o planejamento das ações de prevenção e controle por parte das três esferas de governo.



Palavras-chave


Dengue, Epidemiologia. Análise Espacial.

Referências


1. Brasil. Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). Dengue virus e vetor. Disponível em: http://www.ioc.fiocruz.br/dengue/textos/sobrevirus.html>. Acesso em: 25 fev. 2018.

2. Mustafa MS, Rasotgi  V, Jain S, Gupta V. Discovery of fifth serotype of dengue virus (DENV-5): A new public health dilemma in dengue control. Med J Armed Forces India, jan. 2015. [s.1], v. 71, n. 1, p.67-70.

3. Pancetti FGM, Honório NA, Urbinatti PR, Lima-Camara TN. Twenty-eight years of Aedes albopictus in Brazil: a rationale to maintain active entomological and epidemiological surveillance. Rev Soc Bras Med Trop. 2015; 48(1): 87-9. DOI:10.1590/0037-8682-0155-2014

4. Consoli RAG, Oliveira RL. "Principais mosquitos de importância sanitária no

Brasil". 1998. Available at: http//www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&p

id=S0102-311X1995000100027&lng=pt&tlng=pt

5. Brasil. Ministério da Saúde, 2011. Guia de vigilância do Culex quinquefasciatus, p.80.

6. Guedes DR, Paiva MH, Donato MM, Barbosa PP, Krokovsky L, Rocha SWDS, et al. "Zika virus replication in the mosquito Culex quinquefasciatus in Brazil". Emerging Microbes & Infections, 2017. 6(8), p.e69. Available at: http://www.nature.com/doifinder/10.1038/emi.2017.59.

7. Guo, X, Li CX, Deng YQ, Xing D, Liu QM, Wu Q, Sun AJ, Cao WC, Qin CF, Zhao TY."Culex pipiens quinquefasciatus: a potential vector to transmit Zika virus". Emerging Microbes & Infections. 2016. 5(9), p.e102. Available at: http://www.nature.com/doifinder/10.1038/emi.2016.102

8. Gubler DJ. Dengue, urbanization and globalization: The Unholy Trinity of the 21st Century. Trop Med Health. 2011 Dec; 39(4) (Suppl.): 3-11.

9. Wu X, Hong H, Yue J, Wu Y, Li X, Jiang L, et al. Inhibitory effect of small interfering RNA on dengue virus replication in mosquito cells. Virol J. 2010 Dec; 7(270): 1-8.

10. Brasil. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de chikungunya e febre pelo vírus zika até a Semana Epidemiológica 52. V. 49, n. 02, p. 1–13, 2018.

11. Carvalho MS, Cruz OG, Souza WV, Monteiro AM. Introdução à Estatística Espacial para a Saúde Pública. Série: Capacitação e atualização em geoprocessamento em saúde. Ministério da Saúde. Brasília, 2007.

12. Lima VLC, Carmo RL, Andrade VR, Restitutti MC, SILVEIRA NYJ. Utilização de Sistema de Informações Geográficas na Rotina de Controle da Dengue. Boletim Epidemiológico Paulista, v.29, n.3, p.13, 2006.

13. Barcellos C, Pustal AK, Weber MA, Brito MRV. Identificação de locais com potencial de transmissão de dengue em Porto Alegre através de técnicas de geoprocessamento. Rev Soc Bras Med Trop, 2005. v.38, n.3, p.246-250. https://doi.org/10.1590/S0037-86822005000300008

14. Caumo RB. Estatística Espacial em Dados de Área: Uma Modelagem Inteiramente Bayesiana para o Mapeamento de Doenças Aplicada à Dados Relacionados com a Natalidade em Mulheres Jovens de Porto Alegre. Monografia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2006.

15. Carvalho CO, Rabello RS, Thomé SMG. Spatial distribution of dengue in the state of Rio de Janeiro in the period 2001 to 2012. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 2018. Hygeia 14(27): 108-123.  DOI: http://dx.doi.org/10.14393/Hygeia142709

16. Gupta R, Shriram R. Disease surveillance and monitoring using GIS. 7th Annual International Conference Map India 2004. Disponível em: http://www.gisdevelopment.net/application/health/planning/pdf/mi04054.pdf

17. Ximenes RAA, Martelli CMT, Souza WV, Lapa TM, Albuquerque MFM, Andrade ALSS, et al.Vigilância de doenças endêmicas em áreas urbanas: a interface entre mapas de setores censitários e indicadores de morbidade. Cad Saúde Pública.1999; 15(1): 53-61.