Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Análise espaço-temporal dos casos de hanseníase em Cuiabá, Mato Grosso, no período de 2011 a 2017.
Lúbia Maieles Gomes Machado, Emerson Soares dos Santos

Última alteração: 07-10-18

Resumo


A hanseníase é atualmente classificada pela OMS como uma doença tropical negligenciada, e é relacionada a condições desfavoráveis envolvendo fatores socioeconômicos e demográficos. A doença ainda persiste como relevante problema de saúde pública no Brasil, com altas taxas que refletem o grande poder de transmissão da doença. Sua distribuição espacial é heterogênea e mantém um padrão de alta endemicidade em algumas regiões, sendo a centro-oeste com as maiores taxas médias de detecção. Mato Grosso é o estado que registra mais casos anualmente, e a capital Cuiabá apresenta hiperendemicidade de acordo com a classificação do Ministério da Saúde. Diante do exposto, o objetivo do estudo é analisar a distribuição espaço-temporal dos casos novos de hanseníase registrados em Cuiabá, Mato Grosso, entre os anos 2011 e 2017. Trata-se de estudo epidemiológico do tipo ecológico, com abordagem espacial e temporal. Serão utilizados dados registrados no SINAN, obtidos junto a Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso. Os dados socioeconômicos e demográficos, bem como o arquivo digital das áreas da cidade terão como fonte o IBGE. Será feita descrição do perfil epidemiológico dos casos notificados no período de estudo. Para a análise espacial, será utilizado o modelo bayesiano empírico de suavização local, com auxílio do software GeoDa 1.12, e para a construção dos mapas será utilizado o software ArcGis 10.5. Para a análise temporal do coeficiente de detecção será feito o cálculo de médias móveis. Para encontrar os focos espaciais endêmicos resistentes e áreas de risco, bem como análise temporal e espaço-temporal será utilizada a técnica de varredura SATSCAN. Para verificação de fatores que influenciam nos padrões espaciais de casos de hanseníase, serão utilizados o software ArcGis 10.5 e também do pacote estatístico “R”. Também serão realizados trabalhos de campo e coleta de dados socioeconômicos no senso do IBGE 2010, para análise do contingente geográfico e verificação de fatores socioeconômicos e demográficos que possam estar envolvidos. Este projeto será submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT, Faculdade de Ciências da Saúde. Espera-se que, como resultado do presente trabalho, seja possível identificar as regiões que concentram o maior número de casos ao longo do período estudado, além de verificar quais fatores socioeconômicos e demográficos estão envolvidos com a manutenção da endemia no local. Espera-se também que o trabalho permita melhor conhecimento sobre a situação hiperendêmica da hanseníase na cidade de Cuiabá, o que pode auxiliar no processo de formulação, implementação e reorientação de medidas de controle para redução deste agravo, como escolha de áreas prioritárias, intensificação de ações de busca ativa, avaliação de coletividade e exame nos contatos dos casos detectados.

Palavras-chave


hanseníase; análise espacial; epidemiologia