Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Itinerário terapêutico dos meninos transgêneros em Cuiabá/MT
Rayssa Karla Dourado Porto, Silvia Angela Gugelmin, Marcos Aurélio da Silva

Última alteração: 08-10-18

Resumo


Introdução: O problema que move o presente trabalho refere-se a: quais caminhos as pessoas, que não reconhecem seu gênero com as características a ele atribuídas socialmente, percorrem ao decidirem assumir sua identidade de gênero. Interessa-nos saber as dificuldades, demandas, se as políticas estabelecidas que os respaldam estão sendo cumpridas, e principalmente qual a perspectiva que eles têm do serviço oferecido pelo Sistema Único de Saúde - SUS no munícipio de Cuiabá/MT. A pesquisa tem como sujeitos os meninos transgêneros que decidem passar pelo processo transexualizador e quais caminhos eles percorrem após essa decisão.

Objetivo: Elaborar marco teórico e revisão bibliográfica acerca da temática transgênero, identidade de gênero, itinerário terapêutico e práticas de autocuidado.

Metodologia: Foram elencados alguns descritores e realizada buscas nas principais bases de referências bibliográficas: PubMed; Biblioteca Brasileira de Teses e Dissertações (BBTD); LILACS e SCIELO. Durante a revisão, foram criadas categorias de tabulação, com a finalidade de agrupar as temáticas e verificar aquelas mais frequentes em relação a transgêneros. Com intuito de afunilar os dados, nesta fase foram excluídos os títulos que se referiam a população LGBT. Optou-se por incluir títulos envolvendo população trans, transexuais e travestis. Preconizou-se as produções mais recentes, tendo como base o período entre 2013-2018.

Resultados: Após excluídas as repetições foram encontrados 51 trabalhos publicados entre 2013-2018. As categorias de tabulação são: Saúde da população trans (13 publicações); direitos e políticas públicas (13 publicações), o corpo e seu processo transexualizador (11 publicações). Além desses, identificou-se outros temas como atendimento psicológico e psicanalítico; trabalhos sobre bioética; alguns estudos voltados para a temática da violência, sobretudo contra travestis; verificou-se ainda alguns trabalhos na área da fonoaudiologia. Estas demais categorias totalizaram 14 publicações.

Ao examinar e contextualizar o que foi e está sendo pesquisado na América Latina, por meio da base de dados LILACS, dois dados chamaram a atenção. Primeiramente a quantidade de trabalhos publicados no Brasil: Ao pesquisar pelo descritor transgênero, obteve-se 71 estudos como resultado, entre esses, mais da metade (37) possuíam como país de filiação o Brasil. O segundo ponto que despertou a atenção refere-se ao período das publicações no país: De 2005 a 2012, foram 16 publicações, sendo irregular o número de artigos por ano. Em 2013 o número de publicações se manteve igual ao do ano anterior, com quatro (4) publicações, o que surpreendeu foi que em 2014 houve um importante aumento (14 publicações) mantendo-se até 2017.

Conclusão: Essa breve revisão bibliográfica foi importante para aproximação com a temática, além de despontar quais autores seriam imprescindíveis para a construção do marco referencial. Verificou-se crescimento a partir de 2014 dos trabalhos publicados acerca dessa temática no país, evidenciando que o tema ganha espaço e visibilidade na produção científica internacional e nacional. Contudo, apesar da crescente onda de trabalhos voltados para o tema, observa-se que os dados apresentados nas pesquisas devem ser lidos apenas como estimativas por causa das diferentes metodologias empreendidas nos estudos.


Palavras-chave


Itinerário Terapêutico; Identidade de Gênero; Transgênero