Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA: AVALIAÇÃO SOB A ÓTICA DOS PROFISSIONAIS
LORENA ARAUJO RIBEIRO, JOÃO HENRIQUE GURTLER SCATENA

Última alteração: 08-10-18

Resumo


A Atenção Primária à Saúde (APS) é o nível de atenção que propicia a entrada no sistema de saúde para os problemas e necessidades dos sujeitos, fornecendo um conjunto de práticas que extrapolam os limites da clínica. No Brasil, a APS consiste em um leque diversificado de modelagens de equipes, contudo, imprime na Estratégia de Saúde da Família (ESF) a natureza de reorientação de modelo de atenção. A presente investigação tem o objetivo de avaliar a Estratégia de Saúde da Família do município de Rondonópolis (MT) frente aos atributos essenciais e derivados da APS e caracterizar os profissionais médicos e enfermeiros que atuam nesses serviços. Trata-se de um estudo quantitativo transversal, aprovado em comitê de ética, desenvolvido em 35 Unidades de Saúde da Família (USF), todas com dois anos de funcionamento e localizadas na região urbana de Rondonópolis-MT. A coleta de dados ocorreu em julho e agosto de 2017 por meio da aplicação de questionário sociodemográfico e do Instrumento de Avaliação da Atenção Primária (PCATool) na versão Profissional. Foram entrevistados 59 profissionais, médicos e enfermeiros, alocados nas USF por pelo menos seis meses e que não estivessem de férias ou afastados de suas atividades durante a coleta. Para a entrada dos dados utilizou-se o Epi Info 2000 versão 3.3.2 em dupla digitação e a análise estatística foi realizada utilizando-se o software estatístico Stata versão 12.0. Dentre os profissionais entrevistados, a maioria (74,6%) tinha idade entre 20 e 39 anos, 50,8% eram enfermeiros e 49,2% eram médicos. Quanto ao tempo de lotação na unidade, 79,7% referiram até dois anos, sendo que mais de dois terços deles tinham menos de um ano de permanência. Quanto à formação complementar, 57,6% afirmaram ter algum curso de pós-graduação, mas apenas 11,8% enfocando a APS. No que se refere à avaliação das USF, todos os atributos derivados e essenciais, com exceção ao acesso de primeiro contato, que alcançou o escore médio 4,36, abaixo do preconizado (6,6), foram avaliados como satisfatórios. O atributo essencial melhor avaliado foi Coordenação – S. Informações (9,11). Observou-se alta rotatividade profissional nas USF, além de pouca qualificação especializada no campo da APS. Tais limitações oferecem risco à consolidação deste nível de atenção, tendo em vista que pode comprometer a efetividade e qualidade das ações em saúde. O baixo escore obtido pelo atributo acesso de primeiro contato impõe a necessidade de reflexões acerca das barreiras estruturais e organizacionais presentes nos serviços.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Estratégia Saúde da Família; Avaliação de Serviços de Saúde.

Referências


Brasil. Ministério da Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Manual do Instrumento de Avaliação da Atenção Primária à Saúde: Primary Care Assessment Tool – PCATool – Brasil. Brasília, 2010 [acesso em 5 fev 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_avaliacao_ pcatool_brasil.pdf.

Fracolli LA, Gomes MFP, Nabão FRZ, Santos MS, Cappellini VK, Almeida ACC. Instrumentos de avaliação da Atenção Primária à saúde: revisão de literatura e metassíntese. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(12): 4851–60.

Giovanella L, Mendonça MHM. Atenção Primária à Saúde. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI, organizadores. Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2014. p.493-546.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO/Ministério da Saúde; 2002.