Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Análise da percepção de risco para DTA e sua correlação com variáveis sociodemográficas em manipuladores de alimentos das escolas municipais de Cuiabá-MT.
Letícia Guimarães Perdomo Nascimento

Última alteração: 08-10-18

Resumo


As Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) são um grande problema para a saúde da população. Segundo a ONU uma a cada 10 pessoas adoece todos os anos por conta da ingestão de alimentos contaminados. Uma das grandes causas da contaminação do alimento, que tem sido bastante debatida é a percepção de risco para DTA. Entende-se por percepção o processo pelo qual o ser humano toma consciência dos fatos e das relações que o cerca num contexto ambiental. Assim, o objetivo deste trabalho foi identificar a percepção de risco para DTA em manipuladores de alimentos das escolas municipais de Cuiabá-MT, bem como verificar a sua correlação com as variáveis sociodemográficas. Tratam-se dos resultados preliminares de um estudo exploratório de delineamento transversal, que foi realizado nas escolas municipais de Cuiabá, tendo sido selecionadas aleatoriamente por clusters 10 escolas, sendo 2 escolas na regional Norte, 3 escolas na regional Sul, 3 escolas na regional Leste e 2 escolas na regional Oeste. Para realizar a avaliação da percepção de risco foi utilizado instrumento contendo 7 questões, validado. O escore da percepção de risco foi obtido a partir de uma escala linear de 10cm ancorada nos extremos de intensidade de risco “nenhum” e “muito grande”. Assim, a percepção de risco foi classificada em: baixa (0,0 a 4,0cm), mediana (4,1 a 7,0cm) e alta (7,1 a 10cm).  Os dados foram analisados utilizando o pacote estatístico Stata Statistical Software® versão 12.0. Foram entrevistado 21 manipuladores, sendo que todos eram do sexo feminino e possuíam uma média de 41,3 anos de idade (36,9-45,7). Os manipuladores de alimentos apresentaram percepção de risco de mediana a alta em todas as questões. A questão em que os manipuladores tiverem maior percepção de risco foi a que abordava o risco de ocorrência de doenças de origem alimentar depois de comer carne que não foi bem coccionada. Já a questão em que os manipuladores apresentaram menor percepção de risco foi a relacionada ao risco de ocorrência de doenças ao oferecer refeições prontas após 2 horas de seu preparo. A partir desta pesquisa identificou-se correlação negativa entre a idade e a percepção de risco nas questões 2, 3 e 5 (p<0,05), assim manipuladores mais novos apresentaram percepção de risco maior com relação à armazenar sobras de alimentos preparados, oferecer refeições prontas depois de 2 horas de preparo e ingerir carne malcozida. Também observou-se que quanto maior o tempo enquanto manipulador de alimentos (experiência) menor foi a percepção de risco. De forma geral os manipuladores de alimentos das escolas municipais de Cuiabá apresentaram uma percepção de risco para DTA satisfatória, o que contribui para produção de alimentos seguros e por conseguinte para a saúde dos escolares.


Palavras-chave


Manipulador de alimentos; Percepção de risco; Segurança alimentar

Referências


 

Cunha DT, Stedefeldt E, De Rosso VV. Perceived risk of foodborne disease by school food handlers and principals: the influence of frequente training. Journal of Food Safety. 2012; 32(2):219-225.

Fischler C. Food selection and risk perception. Paris: Centre d’Etudes Trandisciplinaires-sociologie, antropologie, historie-CTSAH, 2000.

Knox B. Consumer Perception and Understanding of Risk From Food. British Medical Bulletin, London. 2000; 56(1): 97-109, 2000.

Organização Mundial de Saúde. Doenças de Origem Alimentar: enfoque para educação em saúde. São Paulo: Roca; 2006.