Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
SÍNDROME DA APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO EM MOTORISTAS DE ONIBUS COLETIVOS DE CUIABÁ: UM ESTUDO DESCRITIVO.
Bruna Argôlo Soares, Luiz César Nazário Scala

Última alteração: 08-10-18

Resumo


A síndrome da apneia obstrutiva do sono é um distúrbio caracterizado pela interrupção da respiração durante o sono. Os principais fatores de risco incluem obesidade (IMC > 30 kg/m²), circunferência do pescoço aumentada (> 40 cm), sexo masculino e idade acima de 50 anos. Vários instrumentos são utilizados para rastreamento da síndrome da apneia obstrutiva do sono, com intuito de estimar e predizer a gravidade da doença, permitindo desta forma a triagem para exames diagnósticos objetivos. Estudos com motoristas de ônibus no Brasil, revelaram que 60% apresentam pelo menos uma queixa ou problema de sono. Dentre os distúrbios de sono o mais prevalente entre a categoria de motoristas profissionais é a apneia obstrutiva do sono. O questionário STOP-Bang é um instrumento simples, validado, de alta sensibilidade para triagem da síndrome. O STOP-Bang é composto por oito perguntas dicotômicas, com oito itens pontuados em 1 (um) e 0 (zero), 1 (um) para resposta “sim” e 0 (zero) para respostas “não”, sendo classificada de acordo com os seguintes critérios: i) baixo risco de SAOS: Sim para 0-2 questões; ii) risco intermediário: Sim para 3-4 questões; iii) alto risco: Sim para 5-8 questões, que demonstram alta sensibilidade para a detecção de SAOS. Considerando o exposto o objetivo deste trabalho é analisar o risco de síndrome da apneia obstrutiva do sono em uma amostra de motoristas de ônibus coletivos da cidade de Cuiabá. Trata-se de um estudo descritivo de corte transversal realizado com 20 motoristas de ônibus coletivos do sexo masculino, da cidade de Cuiabá, como resultados parciais de uma dissertação de mestrado. Os dados foram digitados e analisados no Programa Epi-Info 7. Observou-se que 40% dos motoristas entrevistados estão sobrepeso (IMC de 25 a 29,9 kg/m²), 60% não praticaram atividades físicas nos últimos 3 meses, 30% deles tem 50 anos ou mais, cerca de 45% tem a circunferência do pescoço aumentada, 85% consomem bebida com cafeína, 50% consome bebida alcoólica e 30% são hipertensos. De acordo com o questionário STOP-Bang, 25% dos motoristas tem alto riso de desenvolver apneia do sono, seguido de 30% com risco intermediário e 45% com baixo risco de desenvolver a doença. Dessa forma, faz-se necessário proporcionar acesso ao diagnóstico e, se necessário, tratamento para essa síndrome, assim como melhorar as condições e a organização de trabalho dos motoristas com ações de promoção da saúde, com vistas a proporcionar bem-estar e segurança para esses profissionais, assim como também para a sociedade usuária dos ônibus coletivos.


Palavras-chave


Apneia do sono, Motoristas de ônibus coletivo, características.

Referências


Magalhães, F., Mataruna, J. Sono. In: JANSEN, JM., et al., orgs. Medicina da noite: da cronobiologia à prática clínica [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2007, pp. 103-120

Souza BKP. Apneia obstrutiva do sono e fatores assoviados em motoristas de caminhão que trafegam pela BR-36, Cuiabá, Mato Grosso [Dissertação]. Cuiabá: Universidade Federal de Mato Grosso; 2016.

Mello MT, Narciso FV, Tufik S, Paiva T, Spence DW, et al. Sleep disorders as a cause of motor vehicle collisions. Int J Prev Med. 2013; 4: 246-257.

Chung F, Yegneswaran B, Liao P, Chung AS, Vairavanathan S. et al. STOP Questionnaire: a tool to screen patients for obstructive sleep apnea. Anesthesiology. 2008; 108: 812–2.

Chung F, Yang Y, Brown R, Liao P. Alternative Scoring Models of STOP-Bang Questionnaire Improve Specifi city To Detect Undiagnosed Obstructive Sleep Apnea. Journal of Clinical Sleep Medicine. 2014; 10 (9) 951-8.

Chung F, Abdulah HR, Liao P. STOP-Bang Questionnaire: A Practical Approach to Screen for Obstructive Sleep Apnea. CHEST 2016; 149 (3): 631-638.

Barbosa LMF, Erika AS, Lima NM, Robahil MF.  Tradução e adaptação transcultural do questionário STOP-Bang para a língua portuguesa falada no Brasil. J Bras Pneumol. 2016; 42(4):266-272.