Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Massa de forragem em pastagens de Ipyporã e Mulato II sob lotação contínua
Isadora Gomes Neres Paraíso, Bruno Carneiro e Pedreira

Última alteração: 16-10-18

Resumo


A criação de bovinos de corte no Brasil é predominantemente feita em pastagens com impactos econômicos e ambientais negativos devido a utilização de sistema de produção extensivos com baixos índices de produtividade. Nesse cenário, a intensificação é a principal estratégia em busca de sustentabilidade, a qual preconiza a maximização da utilização dos recursos naturais: solo, planta e animal. O desenvolvimento e uso de novas tecnologias é parte fundamental desse processo. Assim, o lançamento de novas cultivares é uma das tecnologias de grande impacto sobre a produtividade de sistemas de pecuária em pastagens, especialmente quando se trata de híbridos. Novos capins devem apresentar características inovadoras (resistências), além de potencialmente ter que manter ou aumentar a produtividade e o valor nutritivo. O objetivo foi avaliar a massa de forragem (MF) de pastos de Ipyporã e Mulato II no bioma Amazônia. O experimento foi conduzido na Embrapa Agrossilvipastoril, Sinop-MT, de junho de 2017 a maio de 2018. O delineamento experimental foi em blocos completos casualizados, com duas cultivares hibridas: Ipyporã (Brachiaria ruziziensis x Brachiaria brizantha) e Mulato II (B. ruziziensis, B. decumbens e B. brizantha) e quatro repetições. A área experimental era composta por 12 hectares divididos em 8 piquetes de 1,5 ha. Os pastos foram manejados com o método de pastejo sob lotação contínua com taxa de lotação variável, mantendo-se a meta de 30 cm de altura do dossel. Para quantificação da MF, a cada 28 dias, foi realizado o corte da forragem no nível do solo em cinco pontos por piquete (moldura de 0,5 m²), em locais representativos da altura média. As amostras foram colocadas em estufa de circulação de ar forçada à 55 °C até atingir peso constante para determinar matéria seca. Os dados foram analisados usando método de modelos mistos com estrutura paramétrica na matriz de covariância, com medida repetida no tempo, pelo procedimento MIXED do software estatístico SAS®. Não houve diferença na massa de forragem entre os cultivares (P=0,138), com média de MF de 6.180 kg MS.ha-1 para Ipyporã e Mulato II. No entanto, houve efeito de épocas do ano, em que na seca foi registrada a maior MF, com média de 6.895 kg MS.ha-1, enquanto a época das águas apresentou 5.460 kg MS.ha-1. Conclui-se que os híbridos Ipyporã e Mulato II apresentam massa de forragem similares, com variações sazonais devido à disponibilidade de fatores climáticos.

Palavras-chave


Brachiaria; disponibilidade de forragem, pastagem