Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Estudo fitoquímico das flores de Combretum lanceolatum Pohl ex. Eichler (Combretaceae).
Gueybi Catherine Rondon Pereira Oliveira, Paulo Teixeira de Souza Júnior, Virgínia Claudia da Silva, Isabela Marques Ramos

Última alteração: 10-10-18

Resumo


O gênero Combretum pertence à família Combretaceae, com aproximadamente 370 espécies de distribuição cosmopolita no mundo. No Brasil ocorrem aproximadamente 22 espécies, registradas nos biomas, Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântida e Pantanal. Vários estudos farmacológicos, com base na etnobotânica (principalmente na África), mostraram resultados positivos, sendo eles relacionados às atividades antioxidante, antidiabética, antimicrobiana, anti-inflamatória, antifúngica e anticâncer. A utilização das espécies na medicina tradicional é relatada na forma de chás, decocção e tinturas. O estudo fitoquímico do gênero Combretum apresenta majoritariamente triterpenos, seguidos de flavonoides, além de outras classes de metabólitos secundários como, estilbenos, fenantrenos e taninos. Estudos químico-farmacológicos da espécie Combretum lanceolatum, realizados pelo Grupo de Pesquisa em Química de Produtos Naturais e Novas Metodologias de Síntese (LPQPN-DQ/UFMT), nos extratos brutos etanólicos das flores e folhas, demonstraram positivamente atividade antioxidante, antidiabética e tripanocida, sendo estas relacionadas possivelmente com a presença dos flavonoides isolados quercetina, 3-O-metil-quercetina, isoramnetina e dilenetina. Dos extratos etanólicos foram isolados, os flavonoides citados e triterpenos cicloartanos denominados lanceolatosídeos I, II, III, IV, V e VI. Dessa forma, diante dos resultados satisfatórios obtidos, torna-se importante continuar a pesquisa para aprofundar o conhecimento químico-farmacológico da espécie C. lanceolatum. A fração diclorometânica (FDCM) (20,0 g), obtida a partir do extrato bruto etanólico (EBEtOH), foi submetida ao fracionamento cromatográfico em coluna de sílica gel (70-230 mesh) com os eluentes hexano, clorofórmio, acetato de etila e metanol em sistema gradiente de polaridade, obtendo-se as substâncias D58; D62; D121 e D170. Apenas a substância D121 ao ser revelado com reagente químico Liebermann–Burchard (LB) detectou a presença de triterpenos e esteróides, as demais apresentarem intensa coloração amarela na luz UV 365 nm, indicando presença de flavonoides.  As amostras foram encaminhadas para análises espectroscópicas em RMN 1H e 13C e infravermelho (IV) e os dados serão comparados com a literatura para elucidação e identificação estrutural.

 

 

Palavras-chave: estudo químico, Combretum lanceolatum, triterpenos, flavonoides.


Referências


Lopes, K. H. S. Estudo fitoquímico e avaliação das atividades antimicrobiana e tripanocida das flores e folhas de Combretum lanceolatum Pohl ex. Eichler (Combretaceae). Dissertação. Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá – MT, Brasil, 2017.