Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Taxa de diagnósticos de hanseníase no estado do Mato Grosso, de 2014 a 2016
Mario R. Alves, Reinaldo Souza-Santos, Emerson S. Santos, Marina Atanaka

Última alteração: 08-10-18

Resumo


Analisou-se a evolução espaço-temporal da hanseníase em Mato Grosso, nos anos de 2014, 2015 e 2016, por municípios. Foram diagnosticados 23.128 casos da doença no período de estudo, sendo que 11.564, 1.108 e 776 casos foram diagnosticados nos municípios de Nova Monte Verde, Cuiabá e Vale de São Domingos, respectivamente. Observou-se precariedade (baixo) nos indicadores socioeconômicos entre os municípios com altas taxas de diagnóstico, como 0% de domicílios urbanos em vias públicas com urbanização adequada, 0,2% dos domicílios com esgotamento sanitário e taxa de mortalidade infantil de 55,56 por 1.000 nascidos vivos. Tais indicadores contribuem para a manutenção do quadro de hanseníase em Mato Grosso, já que foi o estado com maior taxa de detecção geral da doença (de 2012 a 2016) e sua transmissão está associada a baixos índices de desenvolvimento humano.


Palavras-chave


Hanseníase, Distribuição Espaço-Temporal, Indicadores Sócio-econômicos

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Portaria 2.556, de 28 de outubro de 2011. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. [Internet]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2556_28_10_2011.html (Acessado em: 31/08/2018).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Boletim epidemiológico. Volume 49, Número 4. 2018.

Ferreira De Freitas LRS, Duarte EC, Garcia LP. Análise da situação epidemiológica da hanseníase em uma área endêmica no Brasil: distribuição espacial dos períodos 2001-2003 e 2010-2012. Revista Brasileira de Epidemiologia, 20(4): 702-713, 2017

Ferreira SMB, Ignotti E, Gamba MA. Fatores associados à recidiva em hanseníase em Mato Grosso. Revista de Saúde Pública, 45(4):756-64, 2011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. www.ibge.gov.br, acessado em 03/09/2018.

Munhoz-Jr S, Fontes CJF, Meirelles SMP. Avaliação do programa de controle da hanseníase em municípios mato-grossenses, Brasil. Revista de Saúde Pública, 31(3): 282-7, 1997.

World Health Organization. Epidemiology of leprosy. http://www.who.int/lep/epidemiology/en/, acessado em 28/08/2018.