Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Distribuição espacial da incidência de Câncer infanto-juvenil, malformação fetal e aborto e o uso de agrotóxicos em Mato Grosso
Mariana Rosa Soares, Wanderlei Antonio Pignati

Última alteração: 08-10-18

Resumo


O Brasil é o terceiro país que mais produz alimentos no mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos e países da União Europeia e com esse índice estão agregadas grandes quantidades de agrotóxicos em suas lavouras, e consequentemente maiores intoxicações agudas advindas dessa exposição. O modelo hegemônico do agronegócio define-se como grandes monoculturas, mecanização químico-dependente das lavouras e uso exacerbado de agrotóxicos, para fins de exportação, modelo este que vêm causando impactos sociais, ambientais e à saúde da população. Visto que o Mato Grosso, desde 2008 é o maior produtor de soja, milho, algodão e gado bovino e maior consumidor de litros de agrotóxicos por ano no Brasil e que apenas no ano de 2015 chegou a consumir mais de 207 milhões de litros de agrotóxicos e que essas exposições causam agravos como os cânceres, às malformações congênitas e abortos é de extrema importância que sejam realizados mais estudos no sentido de reforçar as estatísticas sobre o tema, pois estes agravos trazem consigo estigmas sociais e de sofrimento para aqueles que são afetados. Para tanto, foi traçado o objetivo de verificar a associação da incidência de câncer infanto-juvenil, malformação congênita e aborto e o uso de agrotóxicos da população residente nos municípios de Mato Grosso nos anos de 2012 a 2016. O percurso metodológico se dará por estudo descritivo ecológico que será realizado com base nos registros de dados secundários das internações hospitalares por aborto, pelos registros de nascidos vivos com malformações congênitas e registro de base populacional de câncer junto a secretaria estadual de saúde de Mato Grosso. Esses dados serão confrontados com os dados do questionário de morbidade autorreferida do projeto de pesquisa intitulado de “Avaliação da contaminação ambiental, ocupacional e de alimentos da bacia do rio Juruena-MT”, a fim de identificar possíveis subnotificações dos registros. A população de estudo será composta por moradores residentes no estado de Mato Grosso. Serão calculados e relacionados os indicadores de saúde, tais como, o coeficiente médio de câncer infanto-juvenil, malformação e aborto e indicadores ambientais, o consumo de litros de agrotóxicos por área plantada, conforme metodologia proposta por Pignati et al. (2017). A análise estatística será realizada pelo programa SPSS e a discussão dos dados sustentada pela epidemiologia crítica, que visa analisar e relacionar as informações com o ambiente, a saúde e trabalho ao quais os dados estão distribuídos. Para a distribuição espacial e a construção dos mapas será utilizado o software Qgiz 3.2.3.  Espera-se como resultado, que este estudo possa contribuir com ações de vigilância em saúde para as populações expostas aos agrotóxicos, bem como na implantação da política nacional de redução de agrotóxicos no Brasil e principalmente em Mato Grosso, visto que, pressupõe que as maiores distribuições dos casos de cânceres infanto-juvenis, aborto e malformações encontram-se em regiões do estado com maior produção de cultivos agrícolas e maior exposição de agrotóxicos pessoa/ano.  



Palavras-chave


agrotóxicos, intoxicação humana, análise espacial

Referências


Grisolia CK. Agrotóxicos mutações, reprodução e câncer. Brasília: Universidade de Brasília; 2005.

 

Hino P, Villa TCS, Sassaki CM, Nogueira JA, Santos CB. Geoprocessamento aplicado à área da saúde. Rev Latino am Enfermagem. 2006.

Curvo HRM, Pignati WA, Pignatti MG. Morbimortalidade por câncer infanto-juvenil associada ao uso agrícola de agrotóxicos no Estado de Mato Grosso, Brasil. Cad. saúde colet.  [Internet]. 2013.

Carneiro, FF (Org.) Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde / Organização de Fernando Ferreira Carneiro, Lia Giraldo da Silva Augusto, Raquel Maria Rigotto, Karen Friedrich e André Campos Búrigo. - Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular, 2015.

 

Pignati, WA, Lima, FANS, Lara, SS, Corrêa, MLM, Barbosa, JR, Leão, LHC, Pignatti, MG. Distribuição espacial do uso de agrotóxicos no brasil: uma ferramenta para a vigilância em saúde. Ciên & Saúde Coletiva. 2017.

Nasrala Neto E, Lacaz FCA, Pignati WA.Vigilância em saúde e agronegócio: os impactos dos agrotóxicos na saúde e no ambiente. Perigo à vista! Ciência & Saúde Coletiva, 19(12):4709-4718, 2014.

Oliveira NP, Moi GP, Atanaka-Santos M, Silva AGC, Pignati WA. Malformações congênitas em municípios de grande utilização de agrotóxicos em Mato Grosso, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 19(10):4123-4130, 2014.