Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Desempenho de suínos na fase de terminação alimentados com farelo de algodão consorciado com complexo enzimático
Jone Rodrigues da Silva

Última alteração: 16-10-18

Resumo


A instabilidade na cadeia produtiva de suínos no Brasil ocorre devido as constantes oscilações no preço do milho e do farelo soja, ingredientes comumente utilizados na confecção de rações dos suínos. Essa situação acarreta aumento nos gastos com alimentação, promovendo custo elevado no final da produção. Diante disso o farelo de algodão surge como uma alternativa a substituição ao farelo de soja, tendo em vista que esse ingrediente possui um alto teor de proteína bruta e baixo valor comercial. Pesquisas relacionadas com farelo de algodão consorciado com complexo enzimático vêm sendo realizadas visando melhorar a digestibilidade desse ingrediente, promovendo ganhos no desempenho dos animais. Nesse contexto, objetivou-se com este trabalho, avaliar o desempenho de suínos na fase de terminação alimentados com farelo de algodão consorciado com complexo enzimático. Foram utilizados 60 suínos machos castrados de linha comercial, com peso inicial médio de ± 55,47 kg e idade média de ± 105 dias. Ao início do ensaio, os animais foram pesados e distribuídos nos seguintes tratamentos: DR - dieta referência, sem a inclusão de farelo de algodão; DRE - dieta referência mais complexo enzimático; DR5 - dieta referência com inclusão de 5% de farelo de algodão mais complexo enzimático; DR10 - dieta referência com inclusão de 10% de farelo de algodão mais complexo enzimático; DR15 - dieta referência com inclusão de 15% de farelo de algodão mais complexo enzimático. Avaliaram-se os níveis crescentes de farelo de algodão consorciado com complexo enzimático quanto o desempenho dos suínos na fase de terminação, no período de 105 aos 154 dias. No início e final do período, os animais e a ração fornecida foram pesados para determinar o ganho diário de peso (GDP), o consumo diário de ração (CDR) e a conversão alimentar (CA). O peso final estabelecido foi de ± 115 kg, quando os animais atingiram esse peso foram encaminhados para o frigorífico comercial. O desempenho dos animais não foi influenciado (P>0,05) com inclusão de farelo de algodão, consorciado com o complexo enzimático no período avaliado. O farelo de algodão pode ser utilizado na alimentação de suínos em terminação até o nível de 15% sem prejudicar o desempenho dos animais.


Palavras-chave


alimentos alternativos, enzimas exógenas, fonte de proteína