Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Discriminação, Saúde e Trabalho: Diferenças entre haitianos e brasileiros em uma região metropolitana.
Kerly Lourenço Borges, Luís Henrique Leão, Ana Paula Muraro

Última alteração: 08-10-18

Resumo


Os fenômenos migratórios internacionais são heterogêneos e multifacetados. Segundo informações do departamento de assuntos econômicos e sociais da ONU (DESA) existem 244 milhões de migrantes internacionais no mundo. Em Mato Grosso o número de trabalhadores registrados no mercado formal de trabalho era de 2.695 haitianos em 2015. Esses trabalhadores estavam inseridos em setores de risco para a saúde (construção civil e indústria da transformação). Trabalhadores migrantes, em geral, estão em maiores situações de estresse e experimentam precariedade de condições de vida, trabalho, discriminação e isolamento social. Estariam esses imigrantes haitianos em uma situação de desvantagem social em seus processos de trabalho? Essa pesquisa objetiva então analisar as diferenças/semelhanças em termos de condições de trabalho, experiências de discriminação e manifestações de sofrimento entre trabalhadores haitianos e brasileiros em uma região metropolitana. Trata-se de um estudo transversal, exploratório, a ser realizado com trabalhadores haitianos e brasileiros com mais de 18 anos de idade empregados na construção civil, indústria de transformação e serviços, residentes no município de Cuiabá e Várzea grande. Pretende-se a utilização de um questionário composto por dois questionários previamente já elaborado, o Self-report questionnaire (SRQ), que permite a identificação de distúrbios psiquiátricos, o Experience of Discrimination (EOD), que avalia eventos discriminatórios por causa racial. Serão adotadas questões sobre saúde, trabalho, exposição a fatores de risco laboral, como base em questões adaptadas do questionário já construído e aplicado em trabalhadores o Inquérito saúde e trabalho (INSAT).  Tais instrumentos irão permitir caracterizar, através da amostra os principais riscos profissionais de alguns setores de atividade e compreender a influência que as condições de trabalho, experiências de discriminação e manifestações de sofrimento. Espera-se com a pesquisa identificar diferenças impostas a trabalhadores haitianos com relação aos brasileiros nos processos produtivos, bem como experiências discriminatórias e suas implicações no seu processo saúde/doença. A entrevista atenderá a legislação concernente à pesquisa com seres humanos, tendo sido aprovada por comitê de ética.


Palavras-chave


Migração Internacional; Haitianos; Saúde do Trabalhador; Discriminação

Referências


ONU. Organização das Nações Unidas.International migration flows to and from selected countries: the 2015 revision.

RAIS. Manual de Orientação da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS): ano base 2016. – Brasília: MTb, SPPE, DES, CGET, 2016. 49 p.

Suzuki, Lsa. Trabalhadores estrangeiros no brasil: uma análise da mão de obra estrangeira no mercado de trabalho brasileiro.