Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Compreendendo a velhice a partir de memórias de escolarização
Guilherme Tomas Santana Junior, Jane Teresinha Domingues Cotrin

Última alteração: 05-10-18

Resumo


O envelhecimento tem se mostrado como um fenômeno cada vez mais presente na sociedade seja por meio de discussões acerca do impacto nas questões de saúde e previdência social, ou por se tratar de uma situação que a maioria das pessoas irá vivenciar, considerando o aumento da expectativa de vida da população. Portanto, fica evidente a necessidade de estudos em Psicologia que abordem o envelhecimento dentro dos diversos processos psíquicos e sociais. A partir dos estudos de Ecléa Bosi na obra “Memória e sociedade: lembranças de velhos” (1979) sobre as memórias de velhos abriram-se caminhos para construir novos trabalhos, a partir de diferentes temáticas. Considerando que a escolarização é fundamental para o desenvolvimento humano em nossa cultura (SAVIANI, 1999), optamos por estudar a velhice a partir da perspectiva do processo de escolarização vivido por pessoas de diferentes classes sociais. Desta forma, propomos compreender, por meio das histórias orais, como foi o seu período de escolarização, como se configuravam as instituições escolares, conteúdos ministrados, bem como as relações ali estabelecidas. Buscamos com isso responder às seguintes questões Quais as lembranças que idosos possuem sobre a sua escolarização? Há diferenças entre classes sociais? Como foram suas vivências escolares na infância e adolescência e quais os impactos para a vida adulta? Pretendemos com este estudo, investigar quais os sentidos atribuídos por idosos ao seu processo de escolarização. Para tanto será fundamental entender alguns conceitos como: memória, velhice e escolarização, e também será fundamental compreender os conceitos de sentido e significado formulado por Vigotski na Psicologia Histórico-cultural. Trata-se de uma pesquisa em interface com Psicologia do Desenvolvimento, Psicologia Social e Psicologia Escolar. Caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa, que utiliza como metodologia a história oral, um procedimento metodológico que busca, por meio de fontes e documentos, registrar através de narrativas induzidas e estimuladas, testemunhos, versões e interpretações sobre a história em suas múltiplas dimensões: factuais, temporais, espaciais, conflituosas, consensuais. É, portanto, um registro de depoimentos sobre essa história vivida. Os possíveis participantes serão mapeados a partir de Instituições escolares que atendem a modalidade EJA – Educação de Jovens e adultos e também através de sindicatos de servidores aposentados, e/ou Conselhos Regionais de profissão, tendo como critério de inclusão ser idoso com mais de 70 anos. Os instrumentos para coleta de dados serão entrevistas semiestruturadas e documentos.

Palavras-chave


Psicologia Histórico-cultural; Velhice; Escolarização.

Referências


BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: Lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

SAVIANI, D. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. 32 ed. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1999.