Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Os processos sociais de modernização nos estabelecimentos rurais
Raimundo Moriman Goes Junior, André Luis Ribeiro Lacerda

Última alteração: 05-10-18

Resumo


 

 

O tema da pesquisa localiza-se na interseção entre a Sociologia Econômica e a Sociologia das Organizações e tem como objetivo geral investigar os processos de modernização em estabelecimentos rurais que produzem leite, peixe e grãos, com tamanho até 250h, localizados na microrregião sudeste do estado de Mato Grosso, basicamente nas cidades de Juscimeira e Campo Verde. A pesquisa se justifica na medida em que, no ano de 2017, Mato Grosso assumiu a liderança de produção agrícola do país, sendo a soja e o milho as principais culturas do Centro-oeste; também, no mesmo período, Campo Verde ocupou a 10ª posição com maior índice de produção agrícola do país, sendo destaque de produção a soja e o algodão. Da mesma forma, essa região sul do Mato Grosso possui algumas cidades com altos índices de produção agrícola e outras cidades próximas não, como é o caso de Juscimeira. Nesse aspecto, convivem cidades com alto nível de modernização em termos de equipamentos, técnicas de manejo e racionalização técnica buscando-se a maior eficiência em suas atividades diárias, e outras cidades com nível mais baixo de modernização. Nesse sentido quando remetemos a grande produção agrícola, voltamos os olhos aos grandes estabelecimentos rurais, aqueles com mais de 500h. Contudo, cerca de 86% dos estabelecimentos que produziram toda a produção agrícola do país possuíam menos de 500h, isso demonstra a grande força do pequeno e médio produtor rural. A partir das observações precedentes, orientamo-nos pela seguinte problemática de pesquisa: por que alguns estabelecimentos rurais se modernizam e outros não? Verificaremos o que pode explicar a modernização de alguns estabelecimentos rurais e não modernização de outros em um mesmo município. Dados obtidos através do IBGE indicam que os produtores do estado de Mato Grosso possuem quase as mesmas características, sendo que a educação foi a característica que mais os diferenciou, mesmo assim, mais de 80% dos produtores rurais possuem apenas o ensino fundamental como instrução formal. À vista disso, partimos da sociologia econômica e a teoria dos laços sociais de Mark Granovetter para lançar a hipótese geral de que as redes sociais em que os responsáveis pelos estabelecimentos rurais estão inseridos explicam sua maior ou menor modernização. Atores sociais responsáveis por estabelecimentos rurais em redes sociais em que há menor modernização caracteriza a dinâmica social e tenderão a se modernizar menos, enquanto o contrário ocorre com os atores sociais presentes em redes sociais em que há maiores índices de modernização. Por intermédio de coleta de dados primários via entrevistas estruturadas, verificar-se-á se variáveis como escolaridade, tamanho do estabelecimento, localização dos estabelecimentos e perfil sociodemográfico dos responsáveis, além das variáveis relacionais, contribuirão e poderá ajudar a explicar por que alguns estabelecimentos rurais se modernizam e outros não.

 


Palavras-chave


Estabelecimentos rurais; Modernização; Organizações; Economia

Referências


IBGE. Censo Agropecuário 2006: Brasil, grandes regiões, e unidades da Federação. Mato Grosso, 2009.

IBGE. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA: Brasil, grandes regiões, e unidades da Federação. Mato Grosso, 2017.

Granovetter, M.S. (1973), The strength of weak ties, American Journal of Sociology, No. 78,pp. 1360-1380.

Granovetter, M. S. Economic Action and Social Structure: The Problem of Embeddedness. The American Journal of Sociology, Vol. 91, No. 3 (Nov., 1985), pp. 481-510

HELFAND, S., PEREIRA, V.; SOARES, W. Pequenos e médios produtores na agricultura brasileira: situação atual e perspectivas. In: BUAINAIN, A. M.et al. (Orgs.). O mundo rural no Brasil do século XXI - a formação de um novo padrão agrário e agrícola Brasília/Campinas: Embrapa/Instituto de Economia da Unicamp, 2014.